"Os Xutos vão continuar". Com músicas novas e a guitarra de Zé Pedro

Banda anunciou hoje que terá disco de originais este ano, "muitas delas com a guitarra do Zé Pedro já gravada"

"Hoje é um bom dia para olharmos para a frente. Os Xutos vão continuar", lê-se na publicação do Facebook da banda que esta tarde foi publicada, 39 anos depois do primeiro concerto, e muito apressado, concerto nos Alunos de Apolo, em Lisboa. "Temos entre mãos as músicas novas, muitas delas com a guitarra do Zé já gravada, estamos a contar com o disco de originais neste ano", acrescentam.

Na mesma publicação, os Xutos garantem que voltam aos concertos. "Temos alguns convites para atuações especiais de homenagem ao Zé Pedro". Explicam ainda que vão aceitar os "vários pedidos de concertos". Após a morte do guitarrista, apenas subiram ao palco no último dia do ano, em Albufeira. Ninguém substituiu Zé Pedro.

Muito partilhado e comentado, o post da banda acrescenta que "não é fácil". "A ausência pesa toneladas, sabemos que vai ser diferente, esperamos que seja bom".

Zé Pedro morreu no dia 30 de novembro, aos 61 anos. O último concerto no qual participou foi a 4 de novembro, no Coliseu de Lisboa, que assinalou o fim da digressão de 2017 ano dos Xutos & Pontapés. Tinham passado 40 anos depois de ter fundado os Xutos com Tim, Kalú e Zé Leonel, que entretanto deixou a banda.

O último disco dos Xutos, Puro, o décimo terceiro da biografia da banda, foi editado em 2014. Em 2017 foram divulgados os temas Alepo, cuja letra foi composta com frases da menina síria Bana Alabed, e Sementes do impossível para um filme de Joaquim Leitão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.