Oliver Stone e a história americana

Snowden, Oliver Stone

Tínhamos o documentário oscarizado de Laura Poitras, Citizenfour - era certo que a ficção também pegaria no caso Edward Snowden. Melhor dizendo, Oliver Stone, realizador americano que, de forma sistemática, desde a década de 1980, tem conduzido a sua obra pela anatomia histórica do país, no sentido de o questionar (recordemos Platoon ou Nascido a 4 de Julho, sobre a guerra do Vietname).

É, por isso, com naturalidade que o vemos compor o drama de um dos maiores escândalos políticos deste século, para escrutinar a biografia do homem que revelou detalhes assustadores sobre os sistemas de vigilância do governo dos Estados Unidos.

Snowden, no título direto, é um percurso pelo passado do analista, desde a interrupção do treino nas Forças Especiais até ao dia em que escondeu num cubo de Rubik o chip que continha as provas da ação desmesurada da NSA, passando, claro, pela formação na CIA.

Para completar o quadro, Stone foca-se também na relação amorosa do protagonista, que por vezes confundirá o tom do filme. No fim, triunfa o sóbrio labor humanista, no rosto de um infalível Gordon-Levitt.

Classificação: *** bom

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.