Oliver Stone e a história americana

Snowden, Oliver Stone

Tínhamos o documentário oscarizado de Laura Poitras, Citizenfour - era certo que a ficção também pegaria no caso Edward Snowden. Melhor dizendo, Oliver Stone, realizador americano que, de forma sistemática, desde a década de 1980, tem conduzido a sua obra pela anatomia histórica do país, no sentido de o questionar (recordemos Platoon ou Nascido a 4 de Julho, sobre a guerra do Vietname).

É, por isso, com naturalidade que o vemos compor o drama de um dos maiores escândalos políticos deste século, para escrutinar a biografia do homem que revelou detalhes assustadores sobre os sistemas de vigilância do governo dos Estados Unidos.

Snowden, no título direto, é um percurso pelo passado do analista, desde a interrupção do treino nas Forças Especiais até ao dia em que escondeu num cubo de Rubik o chip que continha as provas da ação desmesurada da NSA, passando, claro, pela formação na CIA.

Para completar o quadro, Stone foca-se também na relação amorosa do protagonista, que por vezes confundirá o tom do filme. No fim, triunfa o sóbrio labor humanista, no rosto de um infalível Gordon-Levitt.

Classificação: *** bom

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.