O mundo a preto e branco tal como o vê Alfredo Cunha

Os 47 anos de carreira do fotógrafo apresentam-se nas 500 imagens de "Tempo depois do Tempo" que se revelam na Cordoaria

A primeira fotografia mostra uma rapariga a assistir a um concerto de Procul Harum, em Cascais, em 1962. Foi assim que tudo começou. Alfredo Cunha era um "miúdo hippie" que gostava de fotografar. "A fotografia sempre esteve na minha vida", diz. O avô e o pai eram fotógrafos, tinham um estúdio e faziam retratos. Alfredo devia ter uns 7 anos quando começou também a fotografar, lembra-se de ir com o pai fazer casamentos. Mas quando cresceu e se tornou um "miúdo hippie" sabia que gostava de fotografar, mas que não era bem aquilo que queria fazer. Começou por fotografar os amigos, os festivais de rock na Amadora, as viagens que fazia, o que via na rua. E depois surgiu o fotojornalismo. Primeiro ainda de forma muito incipiente no Notícias da Amadora e logo a seguir n"O Século, em 1970.

De então para cá passaram 47 anos. Dos mais de três milhões de imagens catalogadas de sua autoria, Alfredo Cunha escolheu perto de 500 para a exposição Tempo depois do Tempo, que se inaugura na sexta-feira no Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, em Lisboa. Uma exposição retrospetiva que é "uma viagem no tempo", como ele mesmo diz. Demorou um ano e meio a prepará-la. Como fez a seleção? Ele sorri e responde apenas: "Com muito cuidado."

Não poderiam faltar as fotografias do 25 de Abril nem da descolonização, as imagens do Portugal profundo na crise dos anos 1980, as reportagens no estrangeiro, as festas em Vila Verde, a sua terra. Todas a preto e branco. Alfredo Cunha passou da película para o digital sem dramas e permaneceu no preto e branco por opção. "A minha linguagem, a minha forma de expressão é o preto e branco. Eu nem vejo a cores, é que não vejo mesmo, só me interessa o gradeante de cinza e mais nada."

Uma parte da exposição já esteve na Maia, no ano passado. Mas há dois núcleos novos. Há uma sala só com retratos: são 160, de Cruzeiro Seixas a José Luís Peixoto, de David Mourão Ferreira a Joana Vasconcelos, de Cunhal a Mário Soares (descalço, à secretária), de Salgueiro Maia a José Alves da Cosa, o homem que não disparou o tanque contra Salgueiro Maia, de Marcelo Rebelo de Sousa novo a Marcelo Presidente da República.

E há outra sala com o tema "Três décadas de esperança", evocando o trabalho do fotógrafo com a AMI - Assistência Médica Internacional, que o levou a sítios como o Haiti, o Sri Lanka, o Nepal, Bangladesh... "Um grande trabalho feito por conta de uma organização humanitária e não por um jornal, porque os jornais agora já não estão interessados nestes trabalhos", diz, sem esconder a desilusão.

Alfredo Cunha trabalhou na agência Lusa, no Público, na Visão, Comércio do Porto, Tal & Qual, 24 Horas, Jornal de Notícias, Global Media. Até 2012. "Já não sou jornalista", diz, para mais tarde corrigir: "Eu saí do jornalismo, mas o jornalismo não saiu de mim. Fui muito feliz no jornalismo, fiz muitas coisas e deu-me bagagem para agora ter projetos editoriais e fotográficos meus."

Projetos não faltam. A 1 de abril vai lançar, ali mesmo, no cantinho da Cordoaria onde estão as fotografias de Fátima, um livro dedicados aos 100 anos das aparições. Na Feira do Livro apresenta um outro livro sobre Mário Soares, que acompanhou durante 12 anos. Pelo meio há de voltar à Índia e depois irá a Cuba e ao Brasil, em outubro regressa à Guiné.

Alfredo Cunha tem 64 anos e continua a trazer sempre ao ombro a mala castanha onde carrega as máquinas fotográficas. E nunca esquece o que o pai lhe dizia: "Guarda tudo, fotografa bem, não sejas vulgar e faz coisas compreensíveis, para ti e para o resto das pessoas." "Esta exposição", diz, "é o resultado um bocado dos conselhos do meu pai, ele tinha um conceito muito utilitário da fotografia e encarava a vida dessa maneira. Eu tentei seguir esses conselhos. E embora tenha preocupações de ordem social, sou sempre muito otimista, acho que as coisas vão sempre melhorar."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.