O encontro de Portugal e Japão nos azulejos Haru Ishii

Museu Nacional do Azulejo mostra as obras de Haru Ishii nas quais a artista nipónica recria o encontro entre os dois países.

O interesse pelos azulejos portugueses já existia - descobertos por acaso numa revista de viagens - colando-se à sua vontade de interligar arquitetura e as obras de cerâmica que produzia. E um outro acaso acabou por trazer Haru Ishii a Portugal, com passagem por um resort turístico na ilha de Okinawa. Foi aí que conheceu o embaixador português João Salgueiro, encontro que acabou por a ajudar a concretizar o desejo de vir aprender a arte do azulejo português. "Completamente diferente dos azulejos árabes", faz questão de sublinhar, com ajuda da intérprete Maho Kinoshita. Das Sombras de Quioto à Luz de Lisboa, que ocupa as duas salas de exposições temporárias do Museu Nacional do Azulejo, em Lisboa, o claustrim e o coro alto da Igreja da Madre de Deus, é o resultado dessa aprendizagem.

Os cubos revestidos a azulejos são uma imagem de marca da artista

Haru Ishii recorda ao DN essa primeira experiência em Palmela, onde há 21 anos vê os fornos do Espaço Fortuna fixarem a forma final das suas criações. "Foi totalmente diferente do que tinha pensado." "Apesar da ajuda do Sr. Sebastião [na altura proprietário do Espaço], fazia exatamente o mesmo que os outros, mas as peças saiam sempre disformes. Completamente diferentes do que tinha pensado."

Juntar os pigmentos de tinta que usava com a técnica do vidrado do azulejo português foi "uma luta". E depois de muitas experiências frustradas, o encontro entre Portugal e Japão voltou a acontecer. Quase 500 anos depois, é esse acontecimento histórico que Haru Ishii evoca na exposição que apresenta no museu lisboeta, ao qual chama "a catedral do azulejo", deixando pressentir a pressão que sentiu na conceção desta mostra, apesar de a proposta ter partido de si, em 2015. "Primeiro escrevi um texto, vim ao museu muitas vezes, vi muitas exposições neste espaço. E às vezes ficava preocupada a pensar se [a exposição] iria resultar", diz com uma simplicidade desarmante.

Na sala do rés-do-chão, aponta para as mais de 600 linhas verde-água expostas nas paredes laterais: "Nesta sala estão as obras mais ligadas ao Japão. Primeiro tive a ideia destas linhas, que representam a chuva presente na natureza. Depois surgiu este tatami", diz apontando para a peça ao centro da sala que recria em azulejo o típico tapete japonês, preparado para a cerimónia do chá. Para além da peça que representa a água, elemento essencial nas salas das casas japonesas, a parede do fundo parece transformada num fundo de mar. Repleto de peixes. É aí que se encontram 285 peixes, colados em pedaços de madeira revestidos com papel japonês.

Na sala do primeiro andar, a homenagem da artista ao encontro entre Portugal e Japão. Do lado direito, as ondas sulcadas pelos portugueses na viagem que os levou até ao outro lado do mundo, e do lado esquerdo os pensamentos dos portugueses durante a difícil e longa viagem de ida. Já os pensamentos enriquecidos pelos conhecimentos adquiridos na viagem surgem refletidos nos 120 azulejos que ocupam a parede do fundo. A viagem continua no claustrim, onde cubos revestidos a azulejos, imagem de marca do seu trabalho, são uma alusão à carga que os portugueses traziam, com os sentimentos a derramarem-se pelo chão.

No coro alto da Igreja Madre de Deus, a última peça: uma linha que parece flutuar em direção ao altar. "Era uma ideia antiga", revela. "Queria mostrar a coragem que é precisa para ter esta vida entre Portugal e o Japão". Já lá vão 21 anos e, para Haru, esta exposição é o seu "cabo da Boa Esperança".

Das Sombras de Quioto à Luz de Lisboa

Museu Nacional do Azulejo, Lisboa

Até 31 de dezembroDe terça a domingo, das 10.00 às 18.00

Bilhete: 5 euro (entrada no Museu)

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."