O encontro de Portugal e Japão nos azulejos Haru Ishii

Museu Nacional do Azulejo mostra as obras de Haru Ishii nas quais a artista nipónica recria o encontro entre os dois países.

O interesse pelos azulejos portugueses já existia - descobertos por acaso numa revista de viagens - colando-se à sua vontade de interligar arquitetura e as obras de cerâmica que produzia. E um outro acaso acabou por trazer Haru Ishii a Portugal, com passagem por um resort turístico na ilha de Okinawa. Foi aí que conheceu o embaixador português João Salgueiro, encontro que acabou por a ajudar a concretizar o desejo de vir aprender a arte do azulejo português. "Completamente diferente dos azulejos árabes", faz questão de sublinhar, com ajuda da intérprete Maho Kinoshita. Das Sombras de Quioto à Luz de Lisboa, que ocupa as duas salas de exposições temporárias do Museu Nacional do Azulejo, em Lisboa, o claustrim e o coro alto da Igreja da Madre de Deus, é o resultado dessa aprendizagem.

Os cubos revestidos a azulejos são uma imagem de marca da artista

Haru Ishii recorda ao DN essa primeira experiência em Palmela, onde há 21 anos vê os fornos do Espaço Fortuna fixarem a forma final das suas criações. "Foi totalmente diferente do que tinha pensado." "Apesar da ajuda do Sr. Sebastião [na altura proprietário do Espaço], fazia exatamente o mesmo que os outros, mas as peças saiam sempre disformes. Completamente diferentes do que tinha pensado."

Juntar os pigmentos de tinta que usava com a técnica do vidrado do azulejo português foi "uma luta". E depois de muitas experiências frustradas, o encontro entre Portugal e Japão voltou a acontecer. Quase 500 anos depois, é esse acontecimento histórico que Haru Ishii evoca na exposição que apresenta no museu lisboeta, ao qual chama "a catedral do azulejo", deixando pressentir a pressão que sentiu na conceção desta mostra, apesar de a proposta ter partido de si, em 2015. "Primeiro escrevi um texto, vim ao museu muitas vezes, vi muitas exposições neste espaço. E às vezes ficava preocupada a pensar se [a exposição] iria resultar", diz com uma simplicidade desarmante.

Na sala do rés-do-chão, aponta para as mais de 600 linhas verde-água expostas nas paredes laterais: "Nesta sala estão as obras mais ligadas ao Japão. Primeiro tive a ideia destas linhas, que representam a chuva presente na natureza. Depois surgiu este tatami", diz apontando para a peça ao centro da sala que recria em azulejo o típico tapete japonês, preparado para a cerimónia do chá. Para além da peça que representa a água, elemento essencial nas salas das casas japonesas, a parede do fundo parece transformada num fundo de mar. Repleto de peixes. É aí que se encontram 285 peixes, colados em pedaços de madeira revestidos com papel japonês.

Na sala do primeiro andar, a homenagem da artista ao encontro entre Portugal e Japão. Do lado direito, as ondas sulcadas pelos portugueses na viagem que os levou até ao outro lado do mundo, e do lado esquerdo os pensamentos dos portugueses durante a difícil e longa viagem de ida. Já os pensamentos enriquecidos pelos conhecimentos adquiridos na viagem surgem refletidos nos 120 azulejos que ocupam a parede do fundo. A viagem continua no claustrim, onde cubos revestidos a azulejos, imagem de marca do seu trabalho, são uma alusão à carga que os portugueses traziam, com os sentimentos a derramarem-se pelo chão.

No coro alto da Igreja Madre de Deus, a última peça: uma linha que parece flutuar em direção ao altar. "Era uma ideia antiga", revela. "Queria mostrar a coragem que é precisa para ter esta vida entre Portugal e o Japão". Já lá vão 21 anos e, para Haru, esta exposição é o seu "cabo da Boa Esperança".

Das Sombras de Quioto à Luz de Lisboa

Museu Nacional do Azulejo, Lisboa

Até 31 de dezembroDe terça a domingo, das 10.00 às 18.00

Bilhete: 5 euro (entrada no Museu)

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.