Natalie Portman e as desconcertantes forças do universo

Chega hoje à Netflix Aniquilação, título da Paramount, um dos mais provocadores filmes de ficção científica dos últimos tempos

Já se percebeu: os filmes de Alex Garland são experiências sobre o espaço do imaginário da ficção científica. Em Ex Machina filmava a excentricidade do poder da inteligência artificial, em Aniquilação aborda a matéria de que somos feitos perante os mistérios do universo. O seu cinema, sempre alimentado por um sofisticado jogo lúdico, não quer descobrir a pólvora, mas põe-se em campo como um grande questionamento sobre o lugar da ficção científica no cinema atual, dando a volta à maneira como pensamos que os efeitos visuais devem ser usados. Garland é um autor e nesta adaptação do livro de Jeff VanderMeer impõe um estilo. Tal como em Ex Machina, há uma rigidez nos planos, uma abnegação quase sacrificial perante a música intensa e a fotografia estilizada. Um controlo estético que evoca Stanley Kubrick mas também a sugestão de abstração de um Jonathan Glazer.

Neste filme de aliens que não são bem aliens, Garland explora também noções de narração novas. De algum modo, estamos mais perto de uma instalação de arte (alguém já terá reparado nas semelhanças a Matthew Barney...) ou de uma performance, sempre sem o espectador ter direito a muitas pistas. Aqui estamos sempre um pouco à mercê do instinto de nos agarramos à dedução e confiarmos para onde o filme nos leva. Pelo caminho, vamos perdendo e ganhando o fio lógico (explicações só no fim). As próprias personagens centrais, todas mulheres, têm uma negociação com o abstrato muito sublinhada, quase em cintilante desplante com um organismo brechtiano. Apenas percebemos que a professora e militar de Natalie Portman junta-se a uma equipa de mulheres civis que embarca numa missão a uma área fechada onde se desenrolam estranhos efeitos sobrenaturais depois de um meteoro ou uma luz ter caído sob um farol. O que se passa nessa área indica a possibilidade de uma invisível força extraterrestre. Aos poucos (com muitos flashbacks), vamos percebendo que nessa possível invasão de uma força do outro mundo há uma mutação permanente na natureza, surgindo uma nova vegetação, animais geneticamente alterados e uma espécie de vírus que muda também os comportamentos dos humanos. As memórias e os traumas da personagem de Natalie Portman vão ainda jogar um importante papel nesta misteriosa jornada, em especial em torno do desaparecimento do seu marido, um militar que terá estado nesta área "infetada".

Obviamente, o espectador de Aniquilação terá desde cedo de submeter-se à regra de estar a ser levado para um território desconhecido. Um "desconforto" que faz parte do jogo. A narrativa obriga-nos a uma desorientação sem explicações que é tão psicológica como física. A certa altura, percebemos que há um efeito de duplicidade nas personagens. Esse é um dos charmes de um objeto capaz de referenciar como elementos do "medo" e de ameaça coisas como luzes coloridas, animais selvagens em mutação e pontuações sangrentas dignas do cinema de terror mais gore, como se Garland tivesse um prazer dos diabos a minar o género por dentro. Vai ser difícil tirarmos este filme da cabeça...

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.