MOTELX vai ter competição de longas-metragens

A 10ª edição do MOTELX irá combinar exemplos recentes do cinema de terror com a evocação de cineastas como o italiano Ruggero Deodato e o polaco Walerian Borowczyk.

A 10ª edição do MOTELX (Festival Internacional de Cinema de Terror), a realizar em Lisboa entre 6 e 11 de Setembro, vai apresentar como novidade absoluta uma secção competitiva para longas-metragens europeias. O filme vencedor será o representante do certame nos prémios Méliès d"Argent, a atribuir na gala anual da Federação Europeia de Festivais de Cinema Fantástico. Na prática, isto significa que o MOTELX apresentará dois títulos nesse evento, sendo o outro o vencedor da secção de curtas portuguesas de terror.


Entre as revelações desta edição inclui-se um filme português: O Segredo das Pedras Vivas, de António Macedo. É uma verdadeira estreia, embora tenha sido exibido, em 1992, na RTP, em formato mini-série, com o título O Altar dos Holocaustos. Tendo como ponto de partida as lendas em torno de menhires e antas, em contexto alentejano, O Segredo das Pedras Vivas vai ser finalmente apresentado num ecrã de uma sala escura.

Ruggero Deodato, o italiano que realizou o célebre e polémico Holocausto Canibal (1980), estará presente como convidado especial do festival. A obra do polaco Walerian Borowczyk (1923-2006), figura de culto dos anos 70/80 que trabalhou sobretudo em contexto francês, será recordada através da passagem de cópias restauradas de O Monstro (1975) e Doutor Jekyll e as Mulheres (1981). Brian De Palma, o autor de clássicos como Carrie (1976) ou Vestida para Matar (1980), estará também em foco através da apresentação do documentário De Palma, assinado por Noah Baumbach e Jake Paltrow.
As longas-metragens a concurso só serão anunciadas em Agosto. Conhecidos são já os títulos a apresentar na secção "Serviço de Quarto", propondo um panorama internacional das mais recentes propostas do género de terror. Dois países têm estreia absoluta no MOTELX: o Irão e a Dinamarca, representados, respetivamente, pelos realizadores Babak Anvari (Under the Shadow) e Ali Abbasi (Shelley).

Com sessões no Cinema São Jorge e no Teatro Tivoli, o MOTELX terá o já tradicional período de antecipação (1 a 3 de Setembro), com projeções ao ar livre no Largo de São Carlos e no Beco da Rua da Moeda. Regressa também a secção "Lobo Mau", para espectadores dos 6 aos 12 anos, em articulação com a Cinemateca Júnior.

Entre os eventos paralelos, incluem-se vários workshops, um deles tendo por tema "A arte de assustar em animação", com uma duração de cinco dias e destinado a participantes a partir dos 17 anos. Daniel Bird, especialista na obra de Borowczyk, evocá-lo-á na conferência "One Man Band". No também já tradicional MOTELquiz, serão testados os conhecimentos dos espectadores numa noite interativa que incluem jogos e prémios.

Finalmente, as memórias de uma década do festival estão na base do livro 10 Anos de Terror, do jornalista e crítico João Antunes; nele se antologiam entrevistas com diversos autores representados nas anteriores edições do certame, incluindo George A. Romero, Dario Argento e Tobe Hooper, a par dos portugueses Tiago Guedes e Frederico Serra, Edgar Pêra e António Macedo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.