Morreu o desenhador e autor de banda desenhada Fernando Relvas

Um "autores-chave da BD contemporânea portuguesa", considera o diretor do Amadora BD.

O autor de banda desenhada (BD) Fernando Relvas morreu hoje de madrugada na Amadora, onde vivia, revelou o diretor do Amadora BD, Nelson Dona, que o recordou como um dos "autores-chave da BD contemporânea portuguesa".

Fernando Relvas, de 63 anos, morreu no Hospital Amadora-Sintra e até ao início da tarde de hoje ainda não tinham sido marcadas as cerimónias fúnebres.

Fernando Relvas, que nasceu em Lisboa em 1954, começou a publicar os primeiros trabalhos aos 20 anos, em meados da década de 1970, somando colaborações em várias publicações da imprensa portuguesa, nomeadamente as revistas Fungagá da Bicharada, Tintin e Mundo de Aventuras, o semanário Se7e, a revista Sábado e o Diário de Notícias.

Mais recentemente utilizava os recursos da Internet, como os blogues, para divulgar o trabalho visual.

Algumas das histórias e pranchas publicadas na imprensa foram depois reunidas em álbum, como "Karlos Starkiller", "Çufo", "Em desgraça", "As aventuras do Pirilau: O nosso primo em Bruxelas" e "L123 seguido de Cevadilha Speed".

Mais recentemente, saiu o álbum "Sangue Violeta e outros contos", que reúne as histórias "Sangue Violeta", "Taxi Driver" e "Sabina", publicadas no Se7e, premiado como clássico da Nona Arte no Festival de BD da Amadora.

Para o diretor do Amadora BD, "faleceu um dos autores-chave da BD contemporânea portuguesa, que trabalhou em todo o tipo de BD com registos gráficos brilhantes muito diferentes, e também em narrativas diferentes, da infantil até à só para adultos".

A "obra extensíssima" de Fernando Relvas foi "apresentada várias vezes na sua cidade, a Amadora".

Entre janeiro e abril deste ano, a Bedeteca da Amadora acolheu a exposição retrospetiva "Horizonte, azul tranquilo", dedicada a Fernando Relvas, que o responsável da mostra, Pedro Moura, descreveu como "um verdadeiro sismógrafo da sociedade portuguesa e global das últimas décadas".

A exposição mostrava trabalhos de Fernando Relvas publicados em fanzines, em autoedição, em revistas de banda desenhada, como a Tintin, e outra imprensa, como o semanário Se7e.

"A lavra de Relvas é uma obra maior no panorama nacional, ainda que sob muitos aspetos fragmentária", reconheceu o programador na altura da inauguração, em declarações à Lusa.

Pedro Moura falava de um "percurso nervoso por entre géneros e humores, métodos e técnicas, veículos de publicação e modos de produção e circulação servirá de retrato de uma incessante e intranquila busca pela expressividade própria da banda desenhada".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.