Inês Pedrosa abre editora Sibila para ensaios femininos

A escritora Inês Pedrosa vai ser também editora. A Sibila Publicações vai privilegiar os ensaios femininos e editar, principalmente, textos de mulheres. Joumana Haddad e Maria Antónia Palla são as primeiras.

Todos os escritores sonham em criar uma editora, quanto mais não seja para fugir à tirania dos editores. Não será o caso de Inês Pedrosa, que gosta da sua, mas não resistiu a montar uma editora. Chama-se Sibila, um nome que homenageia as personagens femininas desde a mitologia greco-romana a Agustina Bessa-Luís, e completa um sonho seu de há muitos anos. Como explica: "Os escritores queixam-se da edição, mas não alteram a situação através de atitudes." Acrescenta que começa a ter uma idade em que certos propósitos de uma vida necessitam de ser postos em prática: "A Virginia Woolf montou uma editora, The Hogarth Press. Portanto, não sou o primeiro caso, mesmo que não me queira comparar a ela."

A escritora Inês Pedrosa

Mas podem-se fazer comparações ao nível de meios, tanto que a nova editora faz questão de não as esquecer: "The Hogarth Press não publicava como uma editora normal, mas em conformidade com as posses de Virginia Woolf, o que também acontecerá com a Sibila Publicações." É que o capital para a nova editora vem das economias da escritora e terá uma estrutura muito simples. Terá Gilson Lopes, o marido e designer gráfico, como responsável pelo grafismo e comercialização, a escritora como editora e as restantes fases da edição, como a tradução e a revisão, contratadas.

Quatro livros preparados

Quanto à programação editorial, os primeiros quatro títulos já estão escolhidos e pertencem à Coleção Mulheres de Palavra. O cartão-de-visita é um ensaio da autora líbia Joumana Haddad, intitulado Eu Matei Xerazade - Confissões de Uma Mulher Árabe em Fúria, que sai no próximo mês. Logo em seguida, acontece uma importante reedição, com dois textos inéditos, o esgotadíssimo volume de reportagens de autoria de Maria Antónia Palla, Só Acontece aos Outros. No início de 2018, será a vez da prémio Nobel italiana de 1926, Grazia Deledda, com o texto Depois do Divórcio, um livro também desaparecido das livrarias há muito. O quarto trata-se de uma outra reedição, o Mundo Novo, de Ana de Castro Osório, uma importante feminista da I República.

A coleção com que a Sibila Publicações dá início à sua existência tem a particularidade de estar voltada para mulheres romancistas e ensaístas, deixando de parte por enquanto - e pelos primeiros tempos - os autores homens. Não será uma regra para o futuro, mas pretende apontar uma direção editorial. Para Inês Pedrosa, a opção pelo género não é apenas uma forma de dar voz à "escrita feminina", conceito do qual discorda, mas sim "recordar a palavra das mulheres escritoras no que reporta, tal como a dos homens escritores, à bela e terrível aventura da condição humana".

O primeiro livro editado pela Sibila tem um papel muito importante no nascimento imediato da editora e não daqui a alguns meses conforme estava inicialmente pensado. Segundo Inês Pedrosa, que traduziu esta obra de Haddad, o ensaio deveria ser publicado por outra editora mas o corte na saída de novos títulos fez que fosse adiado. Como a autora vem a Lisboa participar numa grande conferência da Gulbenkian no dia 16 de outubro, o Encontro Mulheres nas Artes, e no Folio, foi um passo curto para tornar-se o primeiro livro da editora Sibila.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."