Inês Pedrosa abre editora Sibila para ensaios femininos

A escritora Inês Pedrosa vai ser também editora. A Sibila Publicações vai privilegiar os ensaios femininos e editar, principalmente, textos de mulheres. Joumana Haddad e Maria Antónia Palla são as primeiras.

Todos os escritores sonham em criar uma editora, quanto mais não seja para fugir à tirania dos editores. Não será o caso de Inês Pedrosa, que gosta da sua, mas não resistiu a montar uma editora. Chama-se Sibila, um nome que homenageia as personagens femininas desde a mitologia greco-romana a Agustina Bessa-Luís, e completa um sonho seu de há muitos anos. Como explica: "Os escritores queixam-se da edição, mas não alteram a situação através de atitudes." Acrescenta que começa a ter uma idade em que certos propósitos de uma vida necessitam de ser postos em prática: "A Virginia Woolf montou uma editora, The Hogarth Press. Portanto, não sou o primeiro caso, mesmo que não me queira comparar a ela."

A escritora Inês Pedrosa

Mas podem-se fazer comparações ao nível de meios, tanto que a nova editora faz questão de não as esquecer: "The Hogarth Press não publicava como uma editora normal, mas em conformidade com as posses de Virginia Woolf, o que também acontecerá com a Sibila Publicações." É que o capital para a nova editora vem das economias da escritora e terá uma estrutura muito simples. Terá Gilson Lopes, o marido e designer gráfico, como responsável pelo grafismo e comercialização, a escritora como editora e as restantes fases da edição, como a tradução e a revisão, contratadas.

Quatro livros preparados

Quanto à programação editorial, os primeiros quatro títulos já estão escolhidos e pertencem à Coleção Mulheres de Palavra. O cartão-de-visita é um ensaio da autora líbia Joumana Haddad, intitulado Eu Matei Xerazade - Confissões de Uma Mulher Árabe em Fúria, que sai no próximo mês. Logo em seguida, acontece uma importante reedição, com dois textos inéditos, o esgotadíssimo volume de reportagens de autoria de Maria Antónia Palla, Só Acontece aos Outros. No início de 2018, será a vez da prémio Nobel italiana de 1926, Grazia Deledda, com o texto Depois do Divórcio, um livro também desaparecido das livrarias há muito. O quarto trata-se de uma outra reedição, o Mundo Novo, de Ana de Castro Osório, uma importante feminista da I República.

A coleção com que a Sibila Publicações dá início à sua existência tem a particularidade de estar voltada para mulheres romancistas e ensaístas, deixando de parte por enquanto - e pelos primeiros tempos - os autores homens. Não será uma regra para o futuro, mas pretende apontar uma direção editorial. Para Inês Pedrosa, a opção pelo género não é apenas uma forma de dar voz à "escrita feminina", conceito do qual discorda, mas sim "recordar a palavra das mulheres escritoras no que reporta, tal como a dos homens escritores, à bela e terrível aventura da condição humana".

O primeiro livro editado pela Sibila tem um papel muito importante no nascimento imediato da editora e não daqui a alguns meses conforme estava inicialmente pensado. Segundo Inês Pedrosa, que traduziu esta obra de Haddad, o ensaio deveria ser publicado por outra editora mas o corte na saída de novos títulos fez que fosse adiado. Como a autora vem a Lisboa participar numa grande conferência da Gulbenkian no dia 16 de outubro, o Encontro Mulheres nas Artes, e no Folio, foi um passo curto para tornar-se o primeiro livro da editora Sibila.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.