Harvey Weinstein declara-se inocente

Harvey Weinstein, de 66 anos, é acusado dos crimes de violação, ato sexual de relevo, abuso e má conduta sexual

O antigo produtor de Hollywood apresentou-se em tribunal nesta terça-feira em Nova Iorque e declarou-se inocente quanto às acusações de violação e atos sexuais criminosos.

Harvey Weinstein, de 66 anos, é acusado dos crimes de violação, ato sexual de relevo, abuso e má conduta sexual por ter violado uma das alegadas vítimas e ter forçado outra a fazer-lhe sexo oral. O seu advogado, Benjamin Brafman, que considera a acusação de violação "absurda", "pôs em causa a credibilidade das duas alegadas vítimas e disse estar confiante de que o seu cliente conseguirá limpar o seu nome", contava nesta terça-feira o jornal The Guardian.

Uma das alegadas vítimas, que não foi identificada publicamente, diz ter sido violada por Weinstein num quarto de hotel. Brafman, o advogado, diz que os dois tiveram uma relação de sexo com consentimento mútuo durante vários anos depois da alegada violação. Outra das alegadas vítimas é a ex-atriz Lucia Evans, que afirma ter sido obrigada a praticar sexo oral a Weinstein no gabinete deste em 2004.

As acusações a Weinstein resultam de uma investigação feita por um Grande Júri de Manhattan (Nova Iorque). O produtor, que foi expulso da Academia e despedido da sua produtora, a Weinstein Company, que depois anunciou estar a entrar num processo de falência, entregou-se numa esquadra em Manhattan no final do mês passado e acabou por sair em liberdade com monitorização eletrónica depois de pagar uma fiança de um milhão de dólares.

Fora dos tribunais, Weinstein também já foi acusado de assédio e crimes sexuais por mais de 70 mulheres, com relatos que se estendem ao longo de décadas. As atrizes Kate Beckinsale, Lysette Anthony e Gwyneth Paltrow estão entre as mais conhecidas. As atrizes Rose McGowan, Daryl Hannah, Annabella Sciorra, Dominique Huett, Natassia Malthe, Brit Marling, Salma Hayek, Lupita Nyong'o, Heather Graham, Lena Headey, Zoe Brock, Cara Delavigne, Lea Seydoux, Mira Sorvino e Angelina Jolie, assim como a produtora Mimi Haleyi, e muitas outras mulheres, revelaram vários episódios em que Weinstein tentou tirar partido da sua posição como produtor para se aproximar delas. Em alguns dos casos há acusações de abuso sexual.

Na cerimónia da última edição do Festival de Cinema de Cannes a atriz Asia Argento declarou publicamente: "Fui violada por Harvey Weinstein aqui".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.