Diogo Piçarra desiste do Festival da Canção depois de acusações de plágio

O jovem cantor diz que tem consciência tranquila, mas considera que "já não faz sentido nenhum sequer tentar ganhar" a oportunidade de representar Portugal na Eurovisão

O cantor Diogo Piçarra decidiu esta terça-feira terminar a sua participação no Festival da Canção, depois de ter sido acusado de plágio. Num comunicado oficial que divulgou nas redes sociais, o jovem de 27 anos diz que tem consciência tranquila, mas considera que "já não faz sentido nenhum sequer tentar ganhar" a oportunidade de representar Portugal na Eurovisão.

O cantor ficou em primeiro na sua semifinal, com a "Canção do Fim", conseguindo o pleno: doze pontos do júri e doze pontos do público. No entanto, no dia seguinte, acusações de plágio de uma canção da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), "Abre os Meus Olhos", ensombraram o feito.

Em comunicado, a RTP já disse compreender e respeitar a decisão do compositor e intérprete Diogo Piçarra: "Independentemente dos argumentos e questões colocadas sobre o tema, a RTP não duvidou em momento nenhum da integridade do artista, cuja carreira já fala por si." A estação pública revelou ainda que será o tema composto por Aline Frazão e interpretado por Susana Travassos, "Mensageira", a ocupar o seu lugar na final de domingo.

Piçarra agradece ainda "o apoio e carinho" que recebeu "colegas de profissão, amigos, família e fãs" diz que vai aplaudir de pé o vencedor. "A minha carreira e vida não dependem disto, só depende de vocês e nesse sentido sei que estarei PARA SEMPRE bem acompanhado", conclui.

Diogo Piçarra já tinha respondido às acusações via Facebook: "Desconhecia por completo o tema e continuarei a defender a minha música por acreditar que foi criada sem segundas intenções. A simplicidade tem destas coisas, e as melodias na música não são ilimitadas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.