Diogo Piçarra desiste do Festival da Canção depois de acusações de plágio

O jovem cantor diz que tem consciência tranquila, mas considera que "já não faz sentido nenhum sequer tentar ganhar" a oportunidade de representar Portugal na Eurovisão

O cantor Diogo Piçarra decidiu esta terça-feira terminar a sua participação no Festival da Canção, depois de ter sido acusado de plágio. Num comunicado oficial que divulgou nas redes sociais, o jovem de 27 anos diz que tem consciência tranquila, mas considera que "já não faz sentido nenhum sequer tentar ganhar" a oportunidade de representar Portugal na Eurovisão.

O cantor ficou em primeiro na sua semifinal, com a "Canção do Fim", conseguindo o pleno: doze pontos do júri e doze pontos do público. No entanto, no dia seguinte, acusações de plágio de uma canção da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), "Abre os Meus Olhos", ensombraram o feito.

Em comunicado, a RTP já disse compreender e respeitar a decisão do compositor e intérprete Diogo Piçarra: "Independentemente dos argumentos e questões colocadas sobre o tema, a RTP não duvidou em momento nenhum da integridade do artista, cuja carreira já fala por si." A estação pública revelou ainda que será o tema composto por Aline Frazão e interpretado por Susana Travassos, "Mensageira", a ocupar o seu lugar na final de domingo.

Piçarra agradece ainda "o apoio e carinho" que recebeu "colegas de profissão, amigos, família e fãs" diz que vai aplaudir de pé o vencedor. "A minha carreira e vida não dependem disto, só depende de vocês e nesse sentido sei que estarei PARA SEMPRE bem acompanhado", conclui.

Diogo Piçarra já tinha respondido às acusações via Facebook: "Desconhecia por completo o tema e continuarei a defender a minha música por acreditar que foi criada sem segundas intenções. A simplicidade tem destas coisas, e as melodias na música não são ilimitadas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.