Despretensão, tensão...

Crítica a "The Commuter - O Passageiro", de Jaume Collet-Serra.

O quarto filme de ação de Liam Neeson com o espanhol Jaume Collet-Serra. Depois de Sem Identidade, Non-Stop e Noite em Fuga, agora é a vez de encontramos um Neeson mais frágil do que nunca na pele de um vendedor de seguros metido numa conspiração que pode colocar em perigo a vida de todos os passageiros do seu habitual comboio de regresso a casa.

A aliança Neeson-Serra é de um louvor de entretenimento notável. A dupla conseguiu forjar thrillers de ação com caução hitchcockiana.

Aqui, o mais interessante é mesmo uma ideia de discurso sobre a paranóia americana e a maneira como a suspeição pode estar no espaço do quotidiano. O filme e o seu guião têm "reviravoltas" a mais e no fim qualquer ponta de plausibilidade é uma piada, mas é requintado o seu próprio sentido de cinema de série B.

Um divertimento despretensioso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.