"A Cidade Global" vista por 41 mil pessoas

A mostra composta por 249 peças, terminou no último domingo (9 de abril), pretendia reconstruir o coração da cidade de Lisboa durante o Renascimento

A exposição A Cidade Global - Lisboa no Renascimento inaugurada a 23 de fevereiro, encerrou este domingo 9 de abril e, segundo o Museu Nacional da Arte Antiga (MNAA) teve uma média de 1 060 visitantes por dia, alcançando em quase três meses um total de 41 314 visitantes.

O objetivo desta exibição era reconstruir o coração da cidade de Lisboa durante o Renascimento, partindo de uma pintura de época que estaria conservada desde o século XIX em Kelmscott Manor (casa de campo de William Morris, artista pré-rafaelista).

Annemarie Jordan Gschwend e Kate Lowe são as historiadoras que identificaram a pintura como sendo uma representação da Rua Nova dos Mercadores na época de Lisboa renascentista. A exposição era composta por 249 peças, que pertenciam a um todo de 77 colecionadores (64 nacionais e 13 internacionais).

A exposição abriu envolta em polémica porque os historiadores Diogo Ramada Curto e João Alves Dias lançaram dúvidas, no semanário Expresso, sobre a autenticidade das peças centrais: os dois quadros A Rua Nova dos Mercadores, ponto de partida da exposição, e O Chafariz d'El-Rei, que apresentam cenários da Lisboa do século XVI.

Após terem realizado análises técnicas, o MNAA confirmou, na semana passada, que O Chafariz d'El-Rei, da Coleção Berardo, foi pintado na segunda metade do século XVI, mas não foram realizadas peritagens aos dois quadros A Rua Nova dos Mercadores, porque o proprietário - a Sociedade de Antiquários de Londres - não autorizou fazê-las em Portugal.

Os investigadores situam A Rua Nova dos Mercadores entre 1590 e 1610, que se encontra dividida em dois painéis, enquanto O Chafariz d'El-Rei terá sido pintado entre 1570 e 1580.

A direção do MNAA afirma que este "foi um dos grandes projetos do Museu, que, em boa hora, entendeu endereçar a Annemarie Jordan e Kate Lowe o convite para adaptarem a uma exposição o livro que acabavam de editar em Londres, numa ampla recriação trabalhada com a equipa do Museu, que renovou e alargou muitíssimo o espetro da ilustração".

Além da pintura, na exposição estavam incluídas mais algumas peças, entre elas, astrolábios, livros, animais empalhados, porcelanas, caixas decoradas com madrepérola, rosários, tapeçarias, azulejos e mobiliário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Germano Almeida

Sequelas do Prémio Camões

Aos domingos, lá pelo meio da manhã, gosto de parar na porta da Nim para dois dedos de conversa, que termina sempre na discussão das qualidades das papaias que ela me convence a comprar. A Nim tem um posto de venda no mercado da Praça Estrela onde, durante a semana, comerceia as verduras que o marido vai buscar em Santiago e no Fogo. Como aos domingos o espaço fica fechado, ela alinha os balaios com a sua mercadoria no passeio em frente da casa, e vestida de um longo avental e um rasgado sorriso, senta-se num banquinho e espera pachorrenta pelos eventuais fregueses. Mas tu nunca descansas, pergunto-lhe. Para quê, responde encolhendo os ombros, este trabalho não cansa, estou aqui sentada, vejo passar pessoas, trocamos mantenhas e novidades, e sempre vou vendendo alguma coisa, tenho três filhos no chão para criar e o planeta não está de brincadeira. Num dia de semana entrei no mercado e não a encontrei. Que é feita da Nim, perguntei a uma vendedeira vizinha. A Nim foi ao cabeleireiro, respondeu. O quê, exclamei espantado, que lhe deu para ir ao cabeleireiro, ainda por cima num dia como hoje? Ela tem um casamento amanhã, hoje podes comprar em mim. É que a Nim tomou-me como sua propriedade: Ele é meu homem, grita para as colegas, ele só compra em mim. E para garantir isso, quando não tem papaia, ela mesma sai a procurar junto das outras para mim.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O legado de Joana Marques Vidal

Os últimos meses foram marcados pelo tema da (não) recondução da procuradora-geral da República, desde que a ministra da Justiça avançou há nove meses com a ideia de que a interpretação que fazia do texto constitucional é que se tratava de um longo e único mandato. Além da lamentável extemporaneidade destas declarações, a tantos meses do término do mandato ficou muito claro desde início que a questão subjacente à recondução de Joana Marques Vidal era de natureza política e não de carácter jurídico.

Premium

António Araújo

Ex-votos

No Estio de 1736, em dia que se ignora, saiu em sua mulinha o beneficiado Manuel Antunes, natural de Barbacena. No caminho das Portas da Esquina para a Horta dos Passarinhos havia uma ladeira pedregosa e íngreme, onde se lhe espantou a mula, por razões desconhecidas. Uma e outra vez caiu ao chão o clérigo, ficando muito ferido, e em muita aflição. Naquele aperto, suplicou aos céus, salvou-se. Em cumprimento da promessa feita, mandou reparar a tosca cruz que por lá havia, campos da Torre das Arcas. O lugar rapidamente ganhou fama de milagreiro. Fez-se então a romaria que ainda hoje perdura. E ergueu-se a ermida que tem o nome de Igreja do Senhor Jesus da Piedade de Elvas.