Descoberto artigo de Harper Lee para o FBI

A autora norte-americana, desaparecida em 2015, escreveu para a revista do FBI sobre o crime de "A Sangue Frio", afirma o seu biógrafo.

Charles Shields, que tem escrito sobre Harper Lee, revelou a descoberta de um artigo sobre o quádruplo assassinato do Kansas, o mesmo que levou Truman Capote a escrever A Sangue Frio.

O artigo em causa foi publicado na revista Grapevine, uma publicação destinada aos funcionários do FBI e, segundo o biógrafo, é mais um texto desconhecido de Harper Lee.

Uma descoberta que se junta ao manuscrito inédito, Vai e Pôe uma Sentinela, que foi a sensação literária do ano passado, meses após a morte da escritora, em fevereiro de 2015, aos 89 anos.

"Dewey had important part in solving brutal murders" (Dewey foi importante para resolver crimes brutais), título do texto da revista, saiu em 1960, meses antes de Mataram a Cotovia e não está assinado, mas o biógrafo considera ter reunido provas suficientes para afirmar que é Harper Lee a autora.

Neste texto, Harper Lee detém-se sobre a investigação da morte violenta da Herb e Bonnie Clutter e dos seus filhos adolescentes, Nancy e Kenyon, na quinta onde viviam no Kansas. A escritora conhecia bem o caso. Acompanhou Truman Capote durante a viagem que o seu amigo de infância fez a esta zona. O escritor escreveu sobre a reação da comunidade aos crimes para a revista New Yorker e foi desta investigação que nasceu, seis anos depois, o romance A Sangue Frio.

A escritora chama ao caso "o mais extraordinário caso de assassinato da história do estado" e descreve com detalhe as atrocidades cometidas sobre o casal: "alvejados a curta distância" e "a garganta de Clutter foi cortada".

O texto segue com a descrição do trabalho do agente que liderou a investigação, Al Dewey. Dois homens viriam a confessar os crimes que teriam recebido entre 40 a 50 dólares por eles.

Descoberta graças a uma amiga

Enquanto revia a biografia da escritora, Mockingbird: A Portrait of Harper Lee, Charlies Shields diz que foi à procura de alguma pista nova a que não tivesse dado atenção antes. Releu artigos de jornal antigos do Kansas e entre eles o Garden City Telegram onde Dolores Hope, escreve dois parágrafos que viriam a ser cruciais para a descoberta deste artigo da Grapevine.

"A história do trabalho do FBI em geral e do agente Al Dewey do KBI nos crimes de Clutter vai aparecer na Grapevine, a revista do FBI", começa por ler-se no texto de Dolores Hope, uma autora que Shields já sabia ser amiga de Harper Lee.

O texto continua: "Nelle Harper Lee, jovem escritora que veio para a Garden City com Truman Capote para reunir material para um artigo para a New Yorker, escreveu o artigo. O primeiro livro de Miss Harper deverá ser publicado esta primavera e as primeiras informações dizem que está destinado ao sucesso".

Com esta informação, Charles Shields contactou a Grapevine, sediada em Washington. Primeiro, confirmaram que corria há muito tempo o rumor de que ela tinha publicado um artigo na revista, mas não sabiam quando. Shields deu a pista certa: uma vez que Dolores Hope escreveu a sua coluna em fevereiro de 1960, pediu que procurassem os números desse mês e de março de 1960. E em março, lá está: um artigo sobre o caso Clutter.

"Era típico da Harper Lee não querer ensombrar o amigo Truman Capote", diz o biógrafo, em jeito de justificação para o facto de não haver assinatura. "Lê-se como uma reportagem", acrescenta, elogiando a qualidade do trabalho.

Charles Shields defende só Harper Lee poderia ter escrito o texto, uma vez que contém detalhes a que apenas ela e Capote tiveram acesso. Ela acompanha-o na viagem e refere-se à escritora como "assistente de pesquisa".

Harper Lee e Truman Capote eram amigos de infância. O escritor é inspiração para a criação da personagem de Dill em Mataram a Cotovia. Uma vez que Lee apenas escreveu um livro, cresceu o rumor de que o livro teria sido escrito por Truman Capote, facto que ambos negaram sempre.

Depois da publicação do primeiro livro, Harper Lee quis manter-se à margem do mundo literário. Quando lhe perguntavam por que razão não tinha escrito mais livros respondia: "Disse o que queria dizer e não vou dizer de novo".

A publicação do manuscrito entretanto descoberto não foi pacífica. Algumas personagens, com mais 20 anos, são as mesmas que se encontram em Mataram a Cotovia, e foram levantadas questões relacionadas com a capacidade da autora de autorizar a publicação deste segundo livro.

Os detalhes sobre este artigo da Grapevine serão incluídos no trabalho Mockingbird: a Portrait of Harper Lee: From Scout to Go Set a Watchman , que será publicado esta terça-feira, dia 26, e o artigo de Harper Lee faz parte do próximo número da Grapevine, com uma introdução de Charles Shields, disse o autor ao jornal britânico The Guardian.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG