10 canções que ainda não ouviu, para conhecer melhor as cores do Camaleão

Conhece a Let's Dance e a Changes, mas já ouviu estas canções? Acompanhe as transformações de David Bowie ao longo de quatro décadas de carreira

Ao longo da sua carreira, de 1964 a 2016, David Bowie lançou 25 álbuns (pondo de parte aqueles que lançou com a banda que fundou, Tin Machine). Dessa enorme discografia, alguns singles saltam à vista, de Space Oddity até Lazarus, mas um sem-número de canções escapam aos holofotes.

1. David Bowie (1969): Wild Eyed Boy From Freecloud

O segundo disco de David Bowie - e o primeiro que é reconhecido como sendo já representativo do seu estilo característico - tem o nome do artista, mas viria a ser lançado anos mais tarde com o nome do seu single mais conhecido. Certamente já conhece Space Oddity, mas experimente o lado B, Wild Eyed Boy From Freecloud, que conta com uma orquestra completa.

2. Hunky Dory (1971): Andy Warhol

Após The Man Who Sold the World, David Bowie lançou Hunky Dory, o seu primeiro álbum a ser generalizadamente aclamado, que trouxe consigo alguns dos maiores êxitos do músico: Changes, Oh! You Pretty Things, e Life on Mars?. O disco conta também com Andy Warhol, lançada como lado B de Changes, que começa com um clip de Bowie a corrigir o produtor Ken Scott, que acabara de pronunciar mal "Warhol". Depois começa a guitarra acústica - e a parte divertida.

3. The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars (1972): Hang onto Yourself

Este disco narrativo conta a história de uma estrela de rock, Ziggy Stardust, que é mensageiro de um extraterrestre. Ziggy tornar-se-ia no mais conhecido alter-ego de Bowie e protagonizaria ainda o álbum seguinte, Alladin Sane. Se já conhece Starman e Suffragette City, experimente Hang onto Yourself, com o seu riff característico que já tinha um cheirinho a punk.

4. Diamond Dogs (1974): 1984

O último disco verdadeiramente glam-rock de Bowie, antes de se voltar a reinventar, Diamond Dogs integra algumas canções que o músico escrevera para uma produção teatral que tinha em mente do livro 1984, de George Orwell. Quando não lhe foram concedidos os direitos para criar esse musical pós-apocalíptico, Bowie arrumou alguns dos temas neste álbum de 1974. Rebel Rebel foi o grande sucesso do disco, mas vale a pena ouvir 1984.

5. Station to Station (1976): Word on a Wing

É no décimo álbum de David Bowie, que marca o seu período mais conturbado em termos de consumo de drogas, que ele se apresenta como o seu último personagem: o Thin White Duke. Com tanto de funk como de eletrónica, Station to Station trouxe TVC 15, e também o single Golden Years e o famoso cover da Wild is the Wind, que tinha sido popularizada por Nina Simone. Entre a euforia de uma e a melancolia de outra fica bem encaixada a balada Word on a Wing.

6. Low (1977): Always Crashing in the Same Car

É o primeiro disco da "Trilogia de Berlim", gravado em colaboração com Brian Eno na parte ocidental da capital alemã, que fica completa com Heroes e Lodger. A sua sonoridade é marcadamente eletrónica, como se ouve bem no single Sound and Vision, mas também no hino da frustração Always Crashing in the Same Car.

7. Scary Monsters (and Super Creeps) (1980): Teenage Wildlife

Após o período mais experimental em Berlim, David Bowie regressou aos tops de vendas com Scary Monsters, o seu 14.º álbum. Entre Ashes to Ashes e Fashion, o álbum consagrou-se como um dos melhores do artista para além de ser um êxito comercial. Ouça Teenage Wildlife, a canção mais longa do álbum, com quase sete minutos.

8. Black Tie White Noise (1993): Pallas Athena

É o primeiro disco a solo de David Bowie após ter passado vários anos com a banda Tin Machine, que fundou. O single Jump They Say chegou aos tops britânicos, e o disco inclui covers de Morrissey e de Cream. Mas Pallas Athena, lançada mais tarde, numa versão drum and bass, como single por Bowie sob o pseudónimo Tao Jones Index, merece ser ouvida por si só.

9. Heathen (2002): Sunday

Em 2002, Bowie lança o seu 22.º álbum, produzido de novo com um dos produtores dos seus discos clássicos, de Space Oddity a Heroes, Tony Visconti. O álbum, que conta com participações de membros das bandas The Who, King Crimson e Foo Fighters, abre com a canção Sunday, que não chegou a ser single.

10. The Next Day (2013): I'd Rather Be High

O penúltimo álbum de David Bowie foi lançado em 2013, após um período de pausa de cerca de dez anos em que o artista não produziu música nova, quando já se pensava que o músico se tinha reformado definitivamente. Os singles The Next Day e Valentine's Day foram o rosto do álbum, mas vale a pena experimentar I'd Rather Be High.

David Bowie lançou o seu último álbum, Blackstar, poucos dias antes de morrer, não tendo resistido ao cancro de que já sofria há 18 meses. Leia mais aqui sobre Blackstar.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG