Anúncio no Diário de Notícias previa Fátima dois meses antes

Um anúncio no DN de há exatamente cem anos anunciava acontecimentos extraordinários para o dia 13 de maio de 1917

Quem lesse a edição do Diário de Notícias do dia 10 de março de 1917 repararia que na página 4, na 9ª coluna, encontrava-se um anúncio pago tão inesperado como estranho. Como título tinha um número em destaque: 135917. Mas no texto curto continha algo que interessava muito às milhares de famílias que tinham os filhos no campo de batalha da Flandres, onde integravam os exércitos em luta na terrível Grande Guerra, cuja maioria morreria vítima de gaseamento. O texto do anúncio referia: "Não esqueças o dia feliz em que findará o nosso martírio. A guerra que nos fazem terminará."

O anúncio poderia ter qualquer interpretação se dois meses e três dias depois, a 13 de maio, não tivesse tido lugar a primeira das seis alegadas aparições da Nossa Senhora aos três pastorinhos. Se dúvidas houvesse, na manhã do próprio dia dos acontecimentos sobrenaturais da Cova da Iria foi publicado uma notícia no Jornal de Notícias, onde se reforçava a mensagem que antes saíra no DN. Essa notícia é escrita a partir de um postal enviado à redação, com data de 11 de maio de 1917, cujo texto deixa os redatores tão estupefactos que colocam como título "Revelação sensacional" e reproduzem o seu aviso: "No dia treze do corrente, hade dar-se um facto, a respeito da guerra, que impressionará fortemente toda a gente."

O anúncio da página 4 do Diário de Notícias no dia 10 de março de 1917

Entretanto, também nos jornais O Primeiro de Janeiro e Liberdade foram publicados dois anúncios com as mesmas previsões de acontecimentos inesperados para o dia 13 de maio de 1917, a data em que o país foi surpreendido pela visão da Virgem Maria por três meninos de 10, 9 e 7 anos, respetivamente, Lúcia, Francisco e Jacinta, no local onde hoje se encontra o Santuário.

Acontecimento sobrenatural que está prestes a comemorar o seu centenário e na qual participa o próprio papa Francisco, por desejo expresso seu, devoto de Maria e que consagrou nos dias imediatos à sua eleição o pontificado à Nossa Senhora do Rosário de Fátima.

Qual é o significado da publicação de um anúncio que preveria o fim da Grande Guerra, uma das grandes linhas mestras da Mensagem de Fátima e que a Nossa Senhora terá comunicado aos pastorinhos estar para breve? Mesmo que essa "declaração" divina estivesse errada pois a guerra só terminou um ano depois, tal não evitou que nos cinco meses seguintes muitos peregrinos se deslocassem de imediato para Fátima nos dias 13, pois disse Lúcia que a Senhora deixara claro que regressaria consecutivamente até 13 de outubro, nem que surgissem comerciantes a vender no local postais com imagens dos jovens portugueses na Guerra.

A página completa com o anúncio destacado a amarelo

Uma autoria indesejável

Os responsáveis pela colocação destes anúncios foram os centros de espiritismo de Lisboa e do Porto, uma atividade muito em voga à época. Centros onde se reuniam pessoas de várias classes para receber mensagens do além. Diga-se que a inicial C. do anúncio publicado no DN deverá pertencer a Carlos Calderon, um cantor muito famoso nessa altura, entre outras coisas fundador da Sociedade Portuguesa de Autores, e que fazia parte de uma das casas espíritas mais importante da capital. "António", que enviara o postal para o JN, também era figura muito conhecida no Porto.

Ora, ambos forram encarregados de deixar registado nos principais jornais da época o que os "espíritos" lhes tinham comunicado em várias sessões por todo o país, como era também o caso de um grupo muito importante que se reunia em Portimão. A razão era simples, evitar que se duvidasse da comunicação do além após os acontecimentos para o dia 13 de maio terem tido lugar.

É o que se pode ler da "Acta" do centro de Lisboa, cujas decisões foram entregues ao referido espírita Carlos Calderon para que desse conhecimento público do que aconteceram nessas várias sessões. Uma "Acta" onde se escreve que "no dia 7 de Fevereiro de 1917 estando nós reunidos para trabalhos psíquicos e estudos ocultos, a determinada altura dos trabalhos, um dos assistentes pediu papel e lápis e automaticamente escreveu da direita para a esquerda uma comunicação (...). Nessa comunicação afirma-se que a data do 13 de Maio será de grande alegria para os bons espíritas de todo o mundo." A decisão que levou à publicação do anúncio deve-se, segundo a "Acta", ao seguinte: "Discutiu-se a comunicação recebida e resolveu-se: "- Que a data de 13 de Maio ficasse exarada num jornal , para que no futuro não pudessem haver dúvidas sobre a veracidade do facto sucedido."

Coincidência para o Santuário

Assim sendo, foi escolhida a edição do DN de 10/03/1917 para imprimir o registo da comunicação;e dada ordem para que "se adquirissem na redação do jornal 35 exemplares", e que se "seguisse com a máxima atenção o desenvolvimento deste assunto, coligindo todos os dados, artigos, etc. que possam conduzir-nos à verdade".

Visto este anúncio à distância de cem anos, num momento em que o Santuário de Fátima comemora a sua longevidade, questionaram-se os responsáveis sobre qual o entendimento da referida previsão na edição do jornal. Considera o diretor do Serviço de Estudos e Difusão, Marco Daniel Duarte, que o enunciado que no dia 10 de março de 1917 aparece na p. 4 "foi associada por alguns investigadores ao acontecimento das aparições de Fátima, provavelmente pela coincidência de uma numeração que antecede esse enunciado e que coincide com uma possível leitura da data em que, segundo o testemunho das três crianças Francisco, Jacinta e Lúcia, acontece a aparição da Virgem Maria em Fátima (135917)." No entanto, para o responsável, "toda a formulação leva a concluir que se trata de uma linguagem típica da cultura espírita, tema que se encontra muito pouco estudado pela historiografia em Portugal e que, por isso, não tem sido contextualizada de uma forma que permita conclusões além das que se firmam na coincidência da hipotética data."

Destaca ainda o Santuário que "para a história das mentalidades, seria importante perceber este tipo de frases, mais ou menos comuns nos jornais dos inícios do século XX, no contexto do surgimento destas correntes de pensamento que ao longo do século XIX e inícios do XX também ganharam adeptos em Portugal", mas não deixa de alertar para o facto de que "na frase não se refere o topónimo Fátima, nem sequer há referência a um qualquer cenário de mariofania. Em linguagem de pendor enigmático, fala-se do fim do martírio e do terminar de uma guerra que pode ser ou não conotada com o grande conflito que se vivia à escala mundial (a expressão é "a guerra que nos fazem terminará")".

Apesar do distanciamento do Santuário sobre o significado do anúncio, pergunta-se a Marco Daniel Duarte se a "previsão" credibiliza ou não os acontecimentos no entender da Igreja. Para o diretor, o discurso oficial da Igreja acerca das aparições de Fátima ignora este caso: "Pode dizer-se que esta tem sido uma temática que não se vê considerada, porquanto a mundividência preconizada pela teologia cristã não é compatível com o discurso do pensamento espírita. A falta de elementos que relacionem o enunciado publicado no DN a Fátima levou a que oficialmente não se tenha dado importância a esta mensagem redigida no modo imperativo. Ela tem sido, sobretudo, evocada por investigações que pretendem explicar as aparições a partir do conceito de paranormalidade e da explicação ovniológica, linha de investigação que, no universo dos estudos sobre Fátima, constitui uma percentagem muito reduzida."

Historiador e a construção

E o que dizem os historiadores sobre este anúncio? O investigador Luís Filipe Torgal, autor do ensaio O sol bailou ao meio-dia - A criação de Fátima, e estudioso da I República, faz notar que quando se consultam os jornais de 1916 a 1918 "eles estão inundados de questões relacionadas com a Guerra" e que nessa altura "surgem dezenas de notícias de aparições que ocorrem um pouco por todo o país e cuja mensagem está associada à Guerra. Aliás, 1917 é um ano especial porque em janeiro parte o Corpo Expedicionário Português para a Flandres".

Não deixa de sublinhar que "a Guerra é a essência da Mensagem de Fátima, tudo o resto é uma construção posterior, como é o caso da mensagem anti-comunista, que só se sabe nos anos 30". O historiador não encontra uma explicação para o anúncio: "Vejo-o, registo-o e integro-o como mais uma entre as diversas notícias sobre a Guerra, mas mais do que isso não. É difícil retirar daí uma interpretação e creio que ninguém o conseguirá." Em conclusão, afirma: "É uma coincidência e o mundo está cheia delas."

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular