Terceiro melhor resultado de sempre nas entradas do superior

Na 1.ª fase dos concursos nacionais entraram 44 613 alunos, o melhor registo da década e um dos melhores de sempre

Os politécnicos, com crescimento de 8%, foram o principal motor de um aumento global de 5% nas entradas.

Como previsto, em face das mais de 52 400 candidaturas, a primeira fase de acesso ao ensino superior registou neste ano um crescimento acentuado nas entradas - 5%, num total de 44 914 colocados. É o melhor registo da década e o terceiro melhor de sempre nos concursos.

veja aqui as listas

Os institutos politécnicos foram o principal motor desde crescimento, aumentando o total de entradas em 8%, mas as universidades também viram o número de alunos aumentar em 2%.No total, de acordo com os dados divulgados pela Comissão de Acesso do Ensino Superior, entraram nas universidades públicas 27 648 estudantes, com os politécnicos a absorverem mais 17 266 alunos. Os anos de quebra acentuada na procura deste subsistema de ensino parecem ter ficado para trás, como demonstra também um aumento de 16% do número de alunos que procuraram os institutos como primeira opção.

A subida da procura em instituições do interior do país, em zonas de menor densidade demográfica, foi determinante para a melhoria global , com um aumento de 13%, que foi de 20% nos politécnicos dessas regiões. Outros fatores, como a escolaridade obrigatória até aos 18 anos e a melhoria da situação económica do país, também contribuíram.

Neste ano, além de um aumento de número de vagas, foram aprovados diversos incentivos, quer para as instituições em zonas menos populosas quer para os alunos que as procuram, nomeadamente ao nível de alojamentos e deslocações. No entanto, em entrevista ao DN (página 11), o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, defende que o mérito também é das próprias instituições, que têm feito um esforço de "adequação" da sua oferta à procura pelos alunos e às necessidades do tecido empresarial das áreas onde se inserem.

Nem todas as apostas parecem ter corrido bem. Pelo menos nesta fase. Neste ano, uma das novidades do concurso nacional de acesso é um curso de Engenharia Alimentar partilhado por três institutos politécnicos: Bragança, Viana do Castelo e Leiria. Uma inovação que não parece ter convencido os candidatos à primeira fase, que deixaram por preencher a quase totalidade das vagas colocadas pelas três instituições. No entanto, este era um cenário já antecipado pelas instituições, que apostam sobretudo na captação de alunos por diferentes vias de acesso.

O mesmo se aplica, de resto, à grande maioria das 44 ofertas que não conseguiram preencher uma única vaga nesta primeira fase de acesso, onde se incluem desde cursos de Engenharia Civil a Gerontologia. Para Manuel Heitor, se não tivessem a convicção de que conseguiriam encher estes cursos através de outras vias de acesso, as instituições já teriam desistido há muito de os manter abertos.

A diversificação das vias de acesso é, de resto, uma das apostas das instituições e do próprio governo. Neste ano, a DGES aponta para mais de 73 mil entradas nas universidades e nos institutos politécnicos. Esse número inclui não só as entradas em licenciaturas e mestrados como os ingressos nos cursos técnicos superiores profissionais (TESP), que terão um aumento significativo nas entradas, face à previsão de que deverão chegar aos 6 800 candidatos.

No topo, há "tradições" que não mudam: o Porto tem os alunos com médias de acesso mais elevadas; o ISCTE e a Nova (esta com três lugares em aberto) enchem os cursos logo à primeira, tal como algumas escolas de Enfermagem; a Universidade de Lisboa acolhe o maior número de alunos.

Mas há tradições que parecem ter mudado. Como a Medicina no topo. Neste ano, pela primeira vez, nenhum dos cursos da área está entre os três primeiros.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub