Manuel Heitor: "Reduzir vagas? O que quero é ter mais estudantes"

O ministro do Ensino Superior afasta por completo o corte de vagas em Medicina - ou outras áreas, defendendo que o que faz falta ao país são mais licenciados. Reforça a aposta no Interior do País, sublinha os ganhos de alunos dos últimos anos e anuncia ainda o regresso do sistema de empréstimos do superior no final do ano.

A Ordem dos Médicos tem apelado insistentemente para a redução do número de vagas de Medicina, face à saturação das formações especializadas. As vagas mantêm-se este ano. Admite reduzi-las no futuro?

Já o disse: não contem comigo para reduzir vagas. Temos que perceber o contexto específico do ensino da Medicina mas a nossa orientação vai mais e mais no sentido da qualidade, nomeadamente no que temos feito em estreita colaboração com o Ministério da Saúde, nos centros académicos clínicos. Demos um alerta grande neste concurso a duas áreas: as competências digitais e a física e foi importante perceber que houve resposta de aumento de vagas, até mais nos politécnicos do que nas universidades e um aumento considerável de 20% na física. E a física é a física médica, a aplicação da bioengenharia à medicina e todas as áreas relacionadas com a medicina biológica. A prática médica não é apenas a área tradicional e por isso há um ramo de aplicações e a física médica é uma área emergente claramente.

Isso poderá influenciar alguns alunos a optarem por essas vias, mas continuarão a ser preenchidas as vagas de Medicina e a faltarem especializações...

Temos cada vez mais de desacoplar a formação do emprego. A nossa preocupação é formar mais estudantes. Depois temos de ir estudando cada vez melhor a questão do emprego mas também de a desacoplar da formação. A questão que se pode por é porque é que há só uma área em que o Estado tem a obrigação de dar emprego a todos os licenciados. Essa é uma questão que todos os países enfrentam: não há obrigação nenhuma de que todos os graduados em Medicina tenham um emprego garantido. Reduzir as vagas? Pelo contrário: o que eu quero é ter mais estudantes no ensino superior. Até porque as médias que temos estão muito abaixo das médias, quer na UE quer na OCDE.

Este é o segundo ano consecutivo com aumento de vagas no superior. Essa tendência, até tendo em conta o que refere, será para manter nos próximos anos?

Temos capacidade de o fazer, sobretudo no interior do país. Não aumentámos as vagas nos principais centros urbanos...

Até as reduziram...

Sim, mas estamos a aumentar fora dos centros urbanos, de Lisboa, Porto e Coimbra. Cada vez mais percebemos que o potencial do ensino superior para atrair jovens é muito importante. Queria dar um exemplo: o curso de Engenharia Alimentar entre três institutos politécnicos: Bragança, Viana do Castelo e Leiria. Aparece pela primeira vez um curso em associação, dado por três instituições. É um exemplo muito importante, darem um curso em parceria, em que os estudantes podem circular entre três territórios do país. Essa é uma tendência a nível nacional mas também internacional que veio para ficar.

O abandono escolar no superior está a diminuir. Há mais confiança entre os alunos?

Claro que sim. Sabemos que a questão do abandono tem muitas razões, nomeadamente de proximidade. Mas também sabemos que o aumento da ação social escolar no ensino superior teve um impacto significativo. O regime de contratualização das bolsas por três anos também terá um impacto positivo. Cria uma relação de confiança entre as instituições e os estudantes.

Pretendem retomar os empréstimos. Os anos de crise mostraram que estes podem ser voláteis...

Desenvolvemos um sistema, em 2007, baseado n a partilha de risco. O sistema financeiro em Portugal também é frágil e, nos anos de crise, reduziram o risco. Gradualmente estamos a repor o sistema mas é verdade que precisamos dos bancos.

E estes vão a assumir os riscos?

Temos aberta essa negociação e eu penso que sim. Estamos a trabalhar para que até ao final do ano o sistema seja retomado.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub