Documentos secretos da CIA podem agora ser lidos no seu computador

O presidente português Costa Gomes (à esq., de frente) recebido pelo presidente americano Gerald Ford, em dezembro de 1974: EUA acompanharam de perto a Revolução do 25 de Abril

Agência americana disponibilizou milhares de ficheiros na internet. E há muito para ler da história recente de Portugal

Não há segredos nos milhares de documentos que a CIA colocou na internet ao alcance de todos, mas no mar de textos disponibilizados podem ainda encontrar-se surpresas. Portugal, o 25 de Abril, os anos quentes que se seguiram e os protagonistas das décadas de 1970 e 1980 estão abundantemente retratados nestes documentos.

Disponibilizados em janeiro (que podem ser vistos no endereço https://www.cia.gov/library/readingroom/), estes ficheiros antes só estavam acessíveis a quem fosse aos Estados Unidos, como recordou ao DN o jornalista Nuno Simas, autor de Portugal Classificado - Documentos Secretos Norte-Americanos (1974-1975), editado pela Alêtheia Editores.

"São milhares de documentos e tínhamos de ir aos EUA para os consultar. Agora estão à distância de um clique e permitem fazer download", explicou Simas, sublinhando a importância desta decisão da agência americana. E que abre "um mar" de páginas e páginas à espera de serem navegadas - são 800 mil documentos, 13 milhões de páginas, entre memorandos, relatórios, recortes de jornais. "É preciso refinar a pesquisa", advertiu o jornalista.

A pesquisa por Portugal devolve-nos 8215 resultados. Entre estes está o "memorando" que Henry A. Kissinger, com o selo da Casa Branca, em que o então secretário de Estado americano dava conta do "coup in Portugal" - o golpe era o do 25 de Abril e já estava nas ruas há quatro dias, quando o governante da administração de Gerald Ford aponta a principal causa para "o golpe praticamente sem derramamento de sangue" como sendo as "políticas de Lisboa para África e as divisões entre os militares".

Mais à frente, Kissinger apontava que os militares "insurrectos", "soberbamente organizados e bem conduzidos", "tomaram o poder de surpresa". E numa nota de alívio o governante sublinhava que, até aquele momento, "o novo governo parece ter o controlo completo". Nuno Simas notou que os americanos não estiveram "muito longe" na parte de África, "foram mais corretos", do que "na avaliação interna" e na perceção do "poder que cada um tinha". "Houve um erro de cálculo. Foram um bocadinho ao lado. Acharam que podiam ter Spínola como aliado", exemplificou.

Irão-Contras em Lisboa

Sem antecipar grandes revelações, há coisas que ainda merecem um olhar atento na pesquisa de filigrana que é necessário fazer. Por exemplo, no caso do Irão-Contras, um escândalo que abalaria nos anos 1980 a administração Reagan, por financiamento dos Contras nicaraguenses, quebrando um embargo de armas ao Irão. "Uma das primeiras notícias", agora disponibilizada pela CIA, "aponta logo para voos com passagem por Lisboa", anotou Simas. "Até que ponto Portugal sabia desta operação", questionou-se o jornalista.

Estes ficheiros foram considerados como "não confidenciais" já nos anos 1990 e então disponibilizados ao público, mas a desclassificação foi parcial - no referido memorando sobre o 25 de Abril está lá a indicação: "Sem objeção para desclassificação em parte."

A sua consulta era difícil, mesmo para americanos. Os documentos só podiam ser vistos e lidos num departamento da CIA, a partir de quatro computadores do edifício dos Arquivos Nacionais, em College Park, no estado do Maryland, mas a pressão de jornalistas, investigadores e da Muckrock - organização não governamental que processou a agência em 2014 para poder ter acesso a estes ficheiros - resultou nesta divulgação em massa.

"O acesso a esta importante coleção histórica já não está limitado pela localização geográfica", admitiu Joseph Lambert, diretor da gestão de informações da CIA, segundo um comunicado citado pela CNN. Nenhum dos documentos disponibilizados nesta base de dados Crest (CIA Records Search Tool - em português, ferramenta de pesquisa dos registos da CIA) deixou de ser secreto recentemente.

A leitura dos analistas da CIA e do Departamento do Estado americano era muito feita a partir de "como é que isso afeta os interesses dos americanos", registou Nuno Simas, como por exemplo numa "análise circunstanciada às eleições de 1986", em que Mário Soares é eleito presidente da República, com o apoio do PCP na segunda volta. Segundo a agência Lusa, a CIA alertou, nesse ano, que a vitória de Mário Soares nas eleições presidenciais não apagava os riscos de instabilidade política em Portugal, e antecipava um conflito, no futuro, com o seu "inimigo político" Cavaco Silva. Pelos vistos, aqui acertaram.

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular