Trump pediu a Comey para encerrar investigação sobre ligações de Flynn à Rússia

Michael Flynn foi assessor para a Segurança Nacional de Trump durante cerca de um mês

Donald Trump terá pedido ao ex-diretor do FBI, James Comey, para encerrar a investigação a Michael Flynn, que foi assessor do Presidente para a Segurança Nacional durante cerca de um mês.

Tal aconteceu em fevereiro, numa reunião entre Comey e Trump na Sala Oval, diz o The New York Times, que cita um memorando escrito pelo antigo diretor do FBI logo após a reunião. "Espero que possa deixar isto [investigação a Flynn] passar", disse Trump a Comey, de acordo com o memorando.

Caso se confirme a situação, o pedido de Trump poderá mesmo significar que o Presidente norte-americano tentou influenciar o trabalho do Departamento de Justiça e do FBI, que investigavam possíveis ligações entre a campanha de Trump e os russos.

A mesma publicação revela que James Comey escreveu o memorando, em que detalha a conversa com Trump, imediatamente após a reunião, que ocorreu um dia após Flynn se ter demitido. Flynn pediu a demissão depois de ter admitido que mentiu ao vice-presidente Mike Pence sobre a natureza das suas conversas com o embaixador russo.

O memorando fará parte de uma espécie de arquivo que o ex-diretor do FBI estava a criar, devido ao que pensava ser uma interferência clara do Presidente numa investigação que estava a decorrer.

O The New York Times explica ainda que notas de um agente do FBI são tidas com muito credíveis, em tribunal, como evidência de conversas e declarações.

A publicação norte-americana explica que não leu o memorando, mas que lhe foram lidas partes do mesmo por pessoas próximas de Comey.

"Ele é um bom homem. Deixe isto", terá dito Trump a Comey, que se terá limitado a concordar com a primeira parte. "Concordo que é um bom homem", terá dito o ex-diretor do FBI.

A Casa Branca já negou a versão do memorando de James Comey.

"Enquanto o Presidente já expressou várias vezes a sua opinião de que o General Flynn é um homem decente que serviu o país, o Presidente nunca pediu ao Sr. Comey ou outra pessoa para terminar qualquer investigação, incluindo a que envolvia o general Flynn (...) Não é um retrato fiel e certo da conversa entre o Presidente e o Sr. Comey", lê-se.

Já o FBI recusou comentar o caso.

A Casa Branca anunciou entretanto uma conferência de imprensa de Donald Trump, para às 21:00 (hora de Lisboa), na próxima quinta-feira.

A iniciativa ocorrerá por ocasião da visita do Presidente colombiano, Juan Manuel Santos. Será a primeira interação com os jornalistas depois da demissão de James Comey.

Trump falou em prender jornalistas

A conversa entre Trump e Comey terá até começado com o Presidente dos EUA a condenar as fugas de informação para os media, dizendo ao antigo diretor do FBI que este devia considerar prender jornalistas que publicassem informação classificada, de acordo com uma pessoa próxima de Comey, ouvida pelo The New York Times.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Mundo
Pub
Pub