Novo dress code veta minissaias e decotes

Novas regras impostas pela LPGA geram ondas de choque entre as golfistas. Multas de mil dólares para quem infringir

Nada de minissaias, decotes, nem mesmo leggings (a menos que usadas por baixo de uma saia ou de uns calções). Ombros e costas à mostra? Só se o top tiver um colarinho, caso contrário também não. Estas são algumas das polémicas regras do novo dress code imposto esta semana às golfistas profissionais pela LPGA, a associação norte-americana do golfe feminino, e que estão a sofrer forte contestação.

O crescente sucesso de beldades como a norte-americana Paige Spiranac, cujas fotos no Instagram a tornaram um fenómeno de popularidade que ultrapassa as fronteiras elitistas da modalidade, tem atraído mais visibilidade para o golfe feminino, mas a LPGA teme um efeito perverso dessa exposição. A associação norte-americana de golfistas profissionais femininas, fundada em 1950 e que gere o mais importante circuito mundial (LPGA Tour), quer o foco centrado no jogo e não na sensualidade das suas atletas. E por isso avançou com as polémicas restrições ao vestuário que entraram em vigor nesta segunda-feira.

As críticas, naturalmente, não se fizeram esperar, com muitas jogadoras a acusarem a LPGA de estar a vulgarizá-las e a reprimir as suas liberdades individuais. Sandra Gal, uma golfista alemã, assumiu-se como uma das vozes críticas: "As minissaias fazem parte do desporto desde há muito, especialmente no ténis. Parte de ser-se mulher, especialmente numa atleta feminina, é sentir-se atrativa e orgulhosa do seu corpo. O ténis lida com isso muito bem. Porque não podemos nós também viver com isso?", indignou-se a germânica, de 32 anos, atualmente 55.ª do ranking, em declarações ao site Golf.com.

Mas a LPGA não está para contemplações e, num e-mail enviado às jogadoras no passado dia 2 de julho, a presidente Vicki Goetze-Ackerman avisou as golfistas de que serão punidas com uma multa de mil dólares (cerca de 870 euros) se infringirem o novo dress code do circuito e o montante duplicará por cada infração posterior. As atletas foram ainda avisadas de que é responsabilidade delas notificarem as respetivas marcas de equipamento.

"O dress code requer que as jogadoras se apresentem de uma forma profissional e que reflita uma imagem positiva do jogo", justificou à Golf.com a diretora de comunicação da LPGA, Heather Daly-Donofrio: "Embora normalmente avaliemos as nossas políticas no final do ano, baseados na contribuição das nossas jogadoras, fizemos agora uns pequenos ajustamentos para levar à alteração de algumas tendências."

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Desporto
Pub
Pub