O hambúrguer sem carne que sabe a carne. "Ninguém vê a diferença"

Burguer King apresenta variação do seu famoso Whopper, sem carne, que está preparado para "sangrar" como um convencional e que usa levedura geneticamente modificada para produzir uma proteína que imita o sabor da carne.

É um hambúrguer sem carne que sabe a carne, redondo como os outros e que sangra como os convencionais. O Impossible Whopper é uma criação da Burger King - para convencer veganos mas também aqueles que comem carne - e que imita o hambúrguer mais famoso da empresa americana, o Whopper.

Esta variante "impossível" é, nas palavras de Christopher Finazzo, presidente da cadeia na América do Norte, praticamente igual ao Whopper: "Nós fizemos um teste cego aos nossos franchisados, com pessoas no escritório, com os meus colegas na equipa executiva, e praticamente ninguém consegue ver a diferença", disse, citado pelo jornal britânico The Guardian.

O hambúrguer foi desenvolvido em parceria com a Impossible Foods, uma empresa sediada na Califórnia que produz substitutos à base de plantas, e está preparado para "sangrar" como um hambúrguer convencional, usando ainda uma levedura geneticamente modificada para produzir hemo, uma proteína que imita o sabor da carne.

Este hambúrguer não agrada a todos, exatamente por causa deste processo: a levedura geneticamente modificada, a falta de ingredientes orgânicos, soja processada e alto teor de gordura saturada e sal têm sido algumas das críticas apontadas.

E apesar de ser sem carne, o Impossible Whopper tem merecido críticas dos ativistas dos direitos dos animais por testar produtos em ratos. Os criadores de gado também se opuseram à Impossible Foods (e a uma empresa concorrente, a Beyond Meat) por vender rissóis em mercearias nos mesmos frigoríficos da carne.

A versão "descarnada" do Whooper está por enquanto em teste em 59 restaurantes em St. Louis (EUA) e é mais cara que a versão convencional.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.