Web Summit chama mulheres ao palco para tirar fotografia após polémica

Paddy Cosgrave chamou esta quinta-feira mulheres empreendedoras ao palco para tirar uma fotografia, após ter circulado nas redes sociais uma imagem só com homens, entre os quais empresários e políticos

"Na segunda-feira [dia de inauguração], chamei vários empreendedores ao palco para tirar uma fotografia. Queremos voltar a tirar essa fotografia", disse Paddy Cosgrave no palco principal da Web Summit, que termina esta quinta-feira em Lisboa. E pediu: "Se quiserem, juntem-se a mim em palco".

Depois de uma primeira tentativa, o responsável comentou: "Temos de tirar uma segunda fotografia, são demasiadas mulheres". Isso obrigou a atrasos no programa da cimeira, "mas ninguém se importa", considerou Paddy Cosgrave.

Depois das fotografias, tiradas por fotógrafos no evento, ouviram-se aplausos na plateia, constatou a Lusa.

A fotografia de segunda-feira tem circulado nas redes sociais com críticas à organização por promover o empreendedorismo no feminino e naquele dia apenas terem sido incluídos homens na imagem.

A Web Summit, desde logo, tem um programa destinado às mulheres, o Women in Tech, que permite que várias empresárias consigam bilhetes mais baratos para o evento.

A Web Summit termina hoje no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), sendo esperados mais de 70 mil participantes de 170 países naquela que é a terceira edição de 13 previstas em Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.