Enfermeiros. Regresso às negociações "não vêm resolver todos os problemas", diz ASPE

A presidente da ASPE, Lúcia Leite, recebeu um telefonema da ministra da Saúde, Marta Temido, que a informou sobre o regresso às negociações no âmbito do Acordo Coletivo de Trabalho. Vê com "satisfação" esta decisão do governo, mas tem reservas

A Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) vê "com satisfação" o reabrir das negociações com o Governo nesta fase de greve, mas adverte que "não vêm resolver todos os problemas que estão em cima da mesa".

Em declarações à agência Lusa, a presidente da ASPE, Lúcia Leite, disse que recebeu esta sexta-feira um telefonema da ministra da Saúde, Marta Temido, em que "ficou claro que iriam retomar negociações no âmbito do Acordo Coletivo de Trabalho" (ACT).

"É uma promessa que já tinha sido feita no dia 30 de janeiro e que não vem propriamente resolver os problemas todos que estão em cima da mesa, mas vai trabalhar algumas matérias que também elas são fundamentais", declarou.

Lúcia leite disse, contudo, ter "dúvidas" que outras matérias fiquem resolvidas por via deste protocolo de negociação no âmbito do ACT, como as que têm a ver com as condições de descongelamento da carreira atual e as questões que ficaram por trabalhar no diploma de carreira, que têm a ver com a tabela remuneratória e com as medidas transitórias, "que naturalmente não estarão abrangidas nesta negociação".

No entanto, a sindicalista considerou que esta retoma das negociações pode resolver alguns problemas de fundo que já estariam previstos resolver por via do ACT, como é o caso da organização do trabalho.

Sindicato vai tentar incluir a idade da reforma e a penosidade da profissão nas negociações

Lúcia Leite disse que "as normas de organização de trabalho têm 30 anos e obviamente não estão de acordo com a legislação em vigor e esse é um assunto prioritário que é fundamental recuperar", bem como a avaliação de desempenho.

A dirigente sindical afirmou ainda que existem mais duas matérias que vão tentar introduzir nesta negociação do ACT, que são a idade da reforma e a penosidade da profissão, "que já foi reconhecida pelo governo".

A retoma de negociações levou o presidente do Sindicato Independente dos Enfermeiros (Sindepor), Carlos Ramalho, a interromper a greve de fome que iniciou na quarta-feira, às 12:00.

A segunda 'greve cirúrgica' dos enfermeiros - a primeira decorreu entre novembro e dezembro de 2018 - que decorre desde 31 de janeiro levou ao adiamento de 5 031 cirurgias até ao dia 19 de fevereiro nos dez hospitais abrangidos pela paralisação, segundo um balanço do Ministério da Saúde.

A ASPE pediu a suspensão da greve depois de um parecer da Procuradoria-Geral da República que considerou a primeira paralisação ilícita, permitindo ao Governo ordenar a marcação de faltas injustificadas, mas o Sindepor decidiu mantê-la.

Na sequência da requisição civil decretada a 07 de fevereiro pelo Governo em quatro dos centros hospitalares abrangidos pela greve dos enfermeiros, alegando o não cumprimento dos serviços mínimos, o Sindepor avançou com uma intimação no Supremo Tribunal Administrativo, que aguarda decisão.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.