Clima tornou-se selvagem e vai piorar ao longo do próximo século

O clima tornou-se selvagem e irá piorar ao longo do próximo século, com o derretimento do gelo na Gronelândia e na Antártida a causar temperaturas mais extremas e imprevisíveis, segundo um estudo divulgado esta quarta-feira.

O trabalho, publicado esta quarta-feira na revista científica Nature, é o primeiro a simular os efeitos, na situação atual, que o gelo derretido nas duas regiões polares terá nas temperaturas dos mares e nos padrões de circulação das massas de água.

"Com as atuais políticas governamentais globais estamos a caminhar para três a quatro graus de aquecimento acima dos níveis pré-industriais, fazendo com que uma quantidade significativa de gelo derretido da Gronelândia e dos campos de gelo antárticos entre nos oceanos", disse Nick Golledge, do Centro de Pesquisa Antártica da Universidade de Victoria, na Nova Zelândia.

O investigador acrescentou que, de acordo com os modelos usados no estudo, "o gelo derretido vai causar alterações significativas nas correntes oceânicas e mudar os níveis de aquecimento em todo o mundo".

Nick Golledge liderou uma equipa internacional de investigadores composta por cientistas da Nova Zelândia, mas também do Canadá, Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos.

A equipa combinou simulações detalhadas dos efeitos do degelo no clima, com observações por satélite das mudanças recentes nas camadas de gelo. E criaram previsões mais precisas e confiáveis do que pode acontecer com as atuais políticas em relação ao clima.

As simulações feitas sugerem que vai haver uma subida mais rápida do nível do mar entre 2065 e 2075, e que a água resultante do degelo vai afetar as temperaturas e os padrões de circulação das águas nos oceanos, o que também vai afetar a temperatura do ar.

Os cientistas dizem que a água do mar não vai subir da mesma forma em todo o lado, mas advertem que os efeitos do degelo serão muito mais generalizados.

À medida que a água do degelo entra nos oceanos, por exemplo no Atlântico Norte, as principais correntes oceânicas, como a corrente do Golfo, serão significativamente enfraquecidas. Dizem os cientistas que isso levará a temperaturas do ar mais altas no Ártico, no leste do Canadá e na América Central e a temperaturas mais baixas no noroeste da Europa.

"O aumento do nível das águas do mar devido ao derretimento das camadas de gelo já está a acontecer e tem acelerado nos últimos anos. As nossas novas experiências mostram que ele continuará até certo ponto, mesmo que o clima da Terra estabilize. Mas elas também mostram que se reduzirmos drasticamente as emissões (de gases com efeito de estufa) podemos limitar esses futuros impactos", disse Nick Golledge.

Ler mais

Exclusivos