Beber sem ficar de ressaca? David Nutt está a desenvolver a fórmula mágica

Já imaginou o que seria beber à vontade e acordar sem qualquer vestígio de ressaca? Um grupo de cientistas, liderado por Nutt, está a desenvolver um princípio ativo que poderá vir a ser utilizado em vários tipos de bebidas.

O álcool é mais perigoso do que drogas como o crack ou a heroína. Quem o disse foi David Nutt, há quase uma década, baseando-se nos danos causados nos consumidores e nos que os rodeiam. Agora, a missão do cientista é encontrar uma alternativa sintética e saudável para o álcool, que simule os seus efeitos positivos, mas não dê ressaca nem prejudique o organismo.

O plano do investigador do Imperial College of London, conta o The Guardian , é arranjar um substituto seguro para o álcool, que no mercado será chamado de Alcarelle.

Há vários anos que o David Nutt se dedica ao desenvolvimento da fórmula mágica - o alcosynth - que fornece as propriedades relaxantes e de sociabilidade do álcool, mas não provoca ressaca nem problemas de saúde.

Para fazer chegar a Alcarelle ao mercado, o cientista e o seu colega, David Orren, procuram reunir cerca de 23.4 milhões de euros. "A indústria sabe que o álcool é uma substância tóxica", disse Nutt, citado pelo Guardian. Se fosse descoberto hoje, o cientista diz que "seria ilegal como alimento". E vai mais além: se os padrões alimentares fossem aplicados ao álcool, o limite seria de um copo de vinho por ano.

O caminho para chegar à fórmula mágica começou a ser traçado em 1983, quando ainda era estudante de doutoramento. Nessa altura, Nutt descobriu uma espécie de antídoto para o álcool, que revertia o estado de embriaguez. Testada em ratos, a substância era, no entanto, demasiado perigosa para uso clínico, já que, se fosse consumida por um indivíduo sóbrio por engano, poderia causar convulsões.

A equipa traçou um projeto para cinco anos, mas é expectável que a chegada da Alcarelle ao mercado possa demorar bem mais. Além dos testes para provar que a molécula é segura, os investigadores precisam de garantir que é bem diferente do álcool, ou seja, que não tem os seus efeitos tóxicos. Precisam, por exemplo, de provar que não causa danos no fígado, no cérebro e no sistema nervoso.

O objetivo não é transformar a Alcarelle numa empresa de venda de bebidas, mas desenvolver um princípio ativo, que possa ser aplicado em vários produtos. Há, inclusive, potenciais investidores na indústria.

Sem relevar pormenores sobre o negócio, Nutt diz que são conhecidos os efeitos "bons" e nefastos que as bebidas alcoólicas têm nas diferentes zonas do cérebro, pelo que o segredo passará por direcionar as partes do cérebro que se deseja atingir.

Enquanto psiquiatra, David Nutt passou grande parte da carreira a lidar com pessoas que tinham problemas relacionados com o álcool. Foi, inclusive, consultor do governo para as questões relacionadas com o abuso de álcool, funções que lhe foram retiradas após declarações polémicas - disse que andar de cavalo era mais perigoso do que ingerir ecstasy.

Pouco depois de ter sido demitido, o cientista publicou um estudo na revista Lancet, no qual mostrava que as bebidas alcoólicas são mais prejudiciais do que o crack ou a heroína.

Ao jornal britânico, Nutt conta que não é contra o álcool, e até é sócio de um bar em Ealing, Londres. Considera, no entanto, que Alcarelle seria "uma boa alternativa".

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.