Astrobióloga Zita Martins assume codireção nacional do programa MIT Portugal

Especialista no estudo da origem, evolução e distribuição da vida no universo, Zita Martins integra o Comité Executivo da Associação Europeia de Astrobiologia e participa em várias missões espaciais​​​​​​.

A astrobióloga Zita Martins foi nomeada codiretora nacional do programa MIT Portugal, anunciou hoje em comunicado o Instituto Superior Técnico (IST), do qual a investigadora é professora associada.

Nomeada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), Zita Martins assume a codireção nacional do programa dirigido em Portugal pelo professor catedrático da Universidade do Minho Pedro Arezes.

O programa MIT Portugal é igualmente dirigido, mas nos Estados Unidos, pela ex-vice-administradora da agência espacial norte-americana NASA Dava Newman, que foi nomeada, ao contrário dos portugueses, pelo próprio Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), onde é professora.

O MIT Portugal é um programa científico-tecnológico que resulta da colaboração direta entre a FCT, principal entidade que financia a investigação científica em Portugal, e o instituto norte-americano MIT, envolvendo Governo português, universidades, instituições científicas, entidades não académicas e indústria.

A terceira fase do programa foi lançada em junho de 2018 e foca-se na investigação em áreas como as alterações climáticas, os oceanos, o espaço, a transformação digital na indústria e as cidades sustentáveis.

Especialista no estudo da origem, evolução e distribuição da vida no universo, Zita Martins integra o comité executivo da Associação Europeia de Astrobiologia e participa em várias missões espaciais, como a europeia Ariel (que vai estudar a atmosfera de planetas fora do sistema solar) e a japonesa Hayabusa2 (que pretende recolher e analisar amostras do asteroide Ryugu).

Depois de ter lecionado e investigado em França, nos Estados Unidos (na NASA) e no Reino Unido, é desde janeiro de 2018 professora associada no Departamento de Engenharia Química do IST e investigadora de Astrobiologia e Cosmoquímica no Centro de Químico-Física Molecular no IST, criando pela primeira vez esta área de investigação em Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.