Descoberta rede de termiteiras do tamanho do Reino Unido

Investigadores identificaram 200 milhões de montes, distribuídos por uma área de 230 mil km2 no Nordeste do Brasil. Cada um implicou deslocações de terra equivalentes ao volume de milhares de pirâmides do Egito.

Os investigadores já lhe chamam o "maior exemplo conhecido de engenharia de ecossistemas por uma única espécie de inseto"; são mais de 200 milhões de montes de terra produzidos pela ação das térmitas (syntermes dirus), distribuídos por uma área de 230 km2, e cujas origens, nos casos dos exemplares mais antigos, datam de há 3820 anos.

O achado, no Nordeste do Brasil, é descrito num artigo científico publicado no site Cell.com. Esta rede manteve-se intocada ao longo dos séculos por se encontrar numa terreno relativamente árido, conhecido por catinga, que se caracteriza pela presença de muitas pedras soltas, barro e elevada acidez, o que o torna pouco indicado para a agricultura.

Para as térmitas, no entanto, a região revelou-se o habitat perfeito. De acordo com os cálculos realizados pelos investigadores, apesar da grande extensão abarcada pelas termiteiras, a distância entre montes - cada um deles com mais de 2,5 metros de altura e nove metros de diâmetro, é de aproximadamente 20 metros, o que se traduz em 1800 por km2 e na estimativa total de 200 milhões de montes.

Milhares de pirâmides de Gizé numa única escavação

Cada um dos montes é considerado uma proeza de "engenharia" capaz de fazer parecer diminutas algumas das grandes obras arquitetónicas da humanidade: "Cada monte é composto por aproximadamente 50 metros cúbicos de solo, que implicaram a escavação de mais de 10 km3 de terra, equivalentes s aproximadamente 4000 grandes pirâmides de Gizé [no Egito], o que faz deste o maior exemplo de engenharia de ecossistemas por uma única espécie de inseto", revelam os autores do estudo.

Ao contrário de alguma crença popular, os montes que conhecemos por termiteiras - no Nordeste brasileiro são chamados de murundús - não são colónias e sim o subproduto das enormes redes de túneis escavadas por estes diminutos insetos no subsolo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG