Ovos possivelmente contaminados foram servidos em cantina de empresa portuguesa na Bélgica

Governo português vai pedir a "retirada de Portugal da lista de países afetados pela contaminação"

A ASAE diz que os ovos possivelmente contaminados que fizeram com que Portugal entrasse na lista dos países afetados por esta crise foram servidos na cantina de uma empresa de construção portuguesa na Bélgica, e o Ministério da Agricultura garante que os ovos não entraram em Portugal.

De acordo com o Público, uma empresa de construção civil portuguesa ("consumidor final" de acordo com o Governo), utilizou os 180 ovos na sua cantina, terá confirmado a ASAE ao mesmo jornal, não existindo confirmação de que estavam mesmo contaminados. No total serão 180 ovos, que estavam sinalizados, e foram comprados por um empresário português na Bélgica.

A notícia surge depois de Portugal ter sido listado como um dos 26 Estados-membros da União Europeia afetados pelo comércio ou distribuição de ovos contaminados com o pesticida tóxico fipronil, e do Ministério da Agricultura ter garantido que não existiam quaisquer "ovos contaminados no mercado em Portugal".

"O que importa aqui é que Portugal foi sinalizado por esse motivo [contaminação dos ovos] e nunca chegaram a entrar em território português", disse fonte governamental, que não esclarece se os funcionários da empresa que consumiram os ovos são portugueses. Ainda de acordo com o Público, a mesma fonte diz que não existem garantias de que os ovos estivessem contaminados.

"Segundo a informação reportada, trata-se de um registo de uma transação entre um comprador português e um vendedor belga", esclarece ao jornal a inspetora-chefe Ana Oliveira. Não tendo ocorrido revenda, o empresário português é então considerado um "consumidor final", acrescenta o Ministério da Agricultura.

O Governo português irá emitir um "pedido de retirada de Portugal da lista de países afetados pela contaminação".

Exclusivos