Um milhão de euros de apoio à natalidade

Promover os nascimentos em Portugal é o objetivo do projeto que vai oferecer vários produtos de higiene a todos os bebés que nascerem este ano e ajudar 50 famílias carenciadas

O projeto "Por um futuro com mais bebés" apresentado esta quinta-feira em Lisboa, destina-se ao incentivo da natalidade através de medidas criadas pela Well's, marca especialista em saúde e bem-estar, que lança o projeto e financia com mais de 1 milhão de euros. Celebrar o nascimento, apoiar e debater as causas e consequências da baixa taxa de natalidade são as áreas desenvolvidas no projeto que entrou em vigor no primeiro dia do ano.

Por cada registo no site da marca será oferecido um conjunto de produtos "BabyWell's" a todos os bebés nascidos em 2018, também a identificação de 50 famílias carenciadas terão um apoio a todas as necessidades do bebé durante o primeiro ano de vida. A última medida passa por ações de sensibilização e informação que visem a promoção da natalidade, que conta com a ajuda de empresas de produtos de criança e entidades nacionais, como o Ministério da Saúde, para dar visibilidade ao tema.

A necessidade de reformular e promover o debate sobre o assunto, de forma a provocar uma mudança sociocultural e que contribua ao mesmo tempo para inverter os valores demográficos do país, foram as principais preocupações para a criação deste projeto, refere João Cília, diretor geral da Well's. "Queremos trazer o lado emocional e dar notoriedade ao tema através da nossa campanha multimeios. Tentar promover uma comunicação contínua ao longo do ano, pois hoje em dia cada mulher tem cerca de 1,35 filhos e isso não chega para a renovação de gerações. É uma situação preocupante para o país e que se tem discutindo de forma pontual nos últimos anos", salienta.

Portugal tem uma das taxas mais baixas da União Europeia, em que o índice sintético de fecundidade está abaixo dos 2,1, ou seja o nível mínimo avaliado pelos especialistas como suficiente para substituir as gerações nos países mais desenvolvidos. No ano passado foram registados para 86 180 nascimentos, menos 2519 que em 2016, invertendo a subida na taxa de natalidade que se verificava desde 2015.

"As perspetivas quanto ao futuro têm de ter impactos positivos nos nascimentos, pois quando se toca no lado emocional das pessoas, que é o caso da nossa publicidade nos meios de comunicação social, criam-se resultados na natalidade. E, esperemos que isso aconteça", sublinha João Cília. Até agora o projeto já entregou mais de 100 produtos em apenas uma semana e tem mais de 1000 registos efetuados pelas mães para o levantamento do conjunto de produtos nas várias lojas.

O projeto conta com várias parcerias com conhecimentos e visões no debate de problemas e soluções, como o Ministério da Saúde, que não hesitou em apoiar esta causa e promete estar disponível no âmbito de todos os debates. "A natalidade é de facto uma temática relevante, atual e importante. Encontra-se na agenda do Ministério da Saúde, e estamos disponíveis para dar todo o apoio ao nível do debate", afirma David Cruz e Silva, técnico especialista do Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde.

Ana Cid Gonçalves, Secretária-Geral da Associação Portuguesa de Famílias Numerosas, sublinha a importância do aumento da natalidade e que causas como estas são "sinais de que a sociedade está a dar uma mensagem muito forte, pois vão ser apoiados todos os bebés. É um projeto que tem muito mérito. Quanto às perspetivas é necessário haver uma alteração nas políticas públicas, dar a cada família a devida liberdade para decidir o número de filhos que deva ter, pois para nós, as famílias com filhos não são tratadas com equidade e justiça".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.