Tiangong-1 será uma bola de fogo no céu e Portugal está na sua rota. O resto é incerteza

Cálculos da ESA mostram que estação orbital chinesa cai até domingo à noite. Onde, é que não se sabe

Algures entre a próxima madrugada e a noite de domingo - mais 16, menos 16 horas, segundo a agência espacial europeia ESA - , a estação espacial chinesa Tiangong-1, que muito apropriadamente significa "palácio celestial", vai reentrar na atmosfera da Terra. A incerteza sobre a região em que isso acontecerá, o seu momento exato, ou se no fim vão sobrar pedaços dela, é total. Certo é que a Páscoa vai ter um espetáculo celeste à altura, quando o "palácio espacial" chinês atravessar a grande velocidade a atmosfera terrestre, feito uma bola de fogo, nos seus minutos finais.

"Para quem estiver no local certo à hora certa, se o céu estiver limpo, vai ser espetacular", antecipa Holger Krag, que dirige o departamento de monitorização do lixo espacial da ESA, em Darmstadt, na Alemanha, e que coordena a missão de acompanhamento da reentrada na atmosfera da estação espacial chinesa. "Mesmo à luz do dia, vai ser visível e assemelhar-se-á a uma estrela cadente vagarosa, que a certa altura vai partir-se em várias, e é possível que se veja um rasto de fumo", adianta o especialista da ESA. Com 3% de probabilidades, segundo a ESA, de isso suceder em Portugal, quem sabe...

De forma cilíndrica e com a dimensão aproximada de um autocarro, com 10,4 metros de comprimento por 3, 4 de diâmetro, 7,5 toneladas, já sem o combustível, e dois painéis solares com três por sete metros cada, a Tiangong-1 fez história em setembro de 2011, ao tornando-se a primeira estação espacial da China na órbita terrestre.

Em junho do ano seguinte, a primeira missão tripulada, com três astronautas chineses (taikonautas), entre os quais uma mulher, atracou à Tiangong-1, para uma missão que durou 11 dias em órbita. Em junho de 2013, nova missão, que se prolongou, dessa vez, por 13 dias.

Desde então, a Tiangong-1 permaneceu vazia e em 21 março de 2016, as autoridades chinesas informaram as Nações Unidas de que tinham perdido o controlo sobre ela. Até aí, os propulsores da Tiangong-1 era regularmente despertados para elevar a sua altitude, de modo a mantê-la entre os 330 e os 400 quilómetros de altitude. Desde 2016 isso deixou de ser possível, pelo que a sua órbita veio decrescendo lentamente, como seria de esperar.

Em janeiro deste ano, a Tiangong-1 estava a uma altitude de 280 quilómetros e desde então já baixou para menos de 200 quilómetros, em relação à superfície do planeta. A sua queda precipitar-se-á quando atingir o limiar dos cem quilómetros de altitude, o que ocorrerá nas próximas 24 horas.

A partir daí tudo se precipitará em poucos minutos, com a estação a transformar-se numa bola de fogo, que depois se despedaçará em milhentos pedaços, muitos dos quais vão desintegrar-se. Entre 10 e 40% dos seus materiais poderão, no entanto, cair na Terra, podendo espalhar-se a grandes distâncias entre si, de mais de mil quilómetros. No entanto, as probabilidades de atingirem alguém, dizem os cálculos da ESA e de outros peritos, são de um em 10 milhões, ou mesmo mais.

Perto de de cem toneladas de materiais espaciais sem uso, como satélites desativados, painéis solares e outros, reentram todos os anos na atmosfera de forma incontrolada, em cerca de meia centena eventos deste tipo. Agora chegou a vez do primeiro "palácio celeste" da China, e promete ser um acontecimento.

O céu caiu-lhe, ao de leve, no ombro

Em 1979, a queda do Skylab, a antiga estação espacial dos Estados Unidos, foi um acontecimento. Alguns fragmentos caíram junto a uma cidade na Austrália, sem causar danos. Muitos outros objetos espaciais caem todos os anos, mas até hoje, só há um caso conhecido de uma pessoa atingida, de forma ligeira: Lottie Williams, nos Estados Unidos, a quem um pequeno fragmento de um tanque de combustível de um foguetão Delta II atingiu no ombro, em 1996.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.