Primeira estrela Michelin de San José foi para um restaurante português

Restaurante "Adega" é dirigido pelo casal de 'chefs' portugueses Jéssica Carreira e David Costa

É uma das maiores distinções no mundo da gastronomia e, pela primeira vez, um restaurante em San José, na costa oeste dos Estados Unidos, recebeu-a. Mas ganha especial relevância para os portugueses, uma vez que foi um restaurante luso que a mereceu. Chama-se Adega e é dirigido por um casal de portugueses, Jéssica Carreira e David Costa, que deixaram Lisboa há cerca de um ano para abrir o restaurante no centro histórico de San José, na California, na zona conhecida como "Little Portugal" - pequeno Portugal.

Na conta do Twitter do restaurante, os donos escreveram estar "honrados" por serem os primeiros a receber uma estrela Michelin em San José.

"Eles não perdem de vista as raízes", disse Michael Ellis, o diretor internacional da Michelin, referindo-se aos 'chefs' portugueses. Os dois estariam já no radar da Michelin desde que trabalharam em Lisboa, escreve o Mercury News.

O Adega era, antes da chegada do casal Carreira e Costa, um estabelecimento emblemático de "Little Portugal", onde reside grande parte da comunidade lusa em San José. Os proprietários, Leonel Sousa e a mulher, Aira, abriram o 'Sousa" há mais de três décadas e cozinhavam pratos tipicamente portugueses, com prevalência da gastronomia açoriana, uma vez que eram naturais do arquipélago.

No ano passado, e devido aos problemas de saúde de Aira, os Sousas decidiram vender o restaurante a Carlos e Fernanda Carreira, pais de Jéssica, nascida em San José e que se tinha mudado para Lisboa onde trabalhara em restaurantes premiados, nomeadamente como 'chef' de pastelaria no restaurante Alma, de Henrique Sá Pessoa. Foi em Lisboa que conheceu o marido David e os dois decidiram aventurar-se no Adega, renovando o espaço nos EUA e criando uma ementa moderna em torno das especialidades portuguesas, sem esquecer o bacalhau.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.