Primeira estrela Michelin de San José foi para um restaurante português

Restaurante "Adega" é dirigido pelo casal de 'chefs' portugueses Jéssica Carreira e David Costa

É uma das maiores distinções no mundo da gastronomia e, pela primeira vez, um restaurante em San José, na costa oeste dos Estados Unidos, recebeu-a. Mas ganha especial relevância para os portugueses, uma vez que foi um restaurante luso que a mereceu. Chama-se Adega e é dirigido por um casal de portugueses, Jéssica Carreira e David Costa, que deixaram Lisboa há cerca de um ano para abrir o restaurante no centro histórico de San José, na California, na zona conhecida como "Little Portugal" - pequeno Portugal.

Na conta do Twitter do restaurante, os donos escreveram estar "honrados" por serem os primeiros a receber uma estrela Michelin em San José.

"Eles não perdem de vista as raízes", disse Michael Ellis, o diretor internacional da Michelin, referindo-se aos 'chefs' portugueses. Os dois estariam já no radar da Michelin desde que trabalharam em Lisboa, escreve o Mercury News.

O Adega era, antes da chegada do casal Carreira e Costa, um estabelecimento emblemático de "Little Portugal", onde reside grande parte da comunidade lusa em San José. Os proprietários, Leonel Sousa e a mulher, Aira, abriram o 'Sousa" há mais de três décadas e cozinhavam pratos tipicamente portugueses, com prevalência da gastronomia açoriana, uma vez que eram naturais do arquipélago.

No ano passado, e devido aos problemas de saúde de Aira, os Sousas decidiram vender o restaurante a Carlos e Fernanda Carreira, pais de Jéssica, nascida em San José e que se tinha mudado para Lisboa onde trabalhara em restaurantes premiados, nomeadamente como 'chef' de pastelaria no restaurante Alma, de Henrique Sá Pessoa. Foi em Lisboa que conheceu o marido David e os dois decidiram aventurar-se no Adega, renovando o espaço nos EUA e criando uma ementa moderna em torno das especialidades portuguesas, sem esquecer o bacalhau.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.