Não há coincidências, é tudo matemática e probabilidades, diz especialista

Matemático norte-americano explica como alguns dos maiores acasos das nossas vidas se resumem, na verdade, a probabilidades e números

Imagine o seguinte: numa manhã de domingo de junho de 1923, a escritora norte-americana Anne Parrish vai passear pelas ruas de Paris, onde está a passar férias com o marido. Ela entra numa livraria que está um pouco escondida e vê um livro que lhe traz boas lembranças: Jack Frost e Outras Histórias.

Anne Parrish compra o livro, porque era um dos seus favoritos quando era criança, e vai mostrá-lo ao marido. Quando o marido abre o volume, lê na primeira página: "Anne Parrish, 209 North Weber Street, Colorado Springs, Colorado" e descobre que a mulher acabou de comprar o livro que lhe pertencia quando era mais nova.

Esta história poderia ser sobre uma tremenda coincidência, não fosse o facto de Joseph Mazur não acreditar em coincidências. Para o professor de matemática da faculdade de Marlboro, em Vermont, Estados Unidos, tudo se resume a probabilidades, até nos casos mais inacreditáveis.

Joseph Mazur mediu todas as variáveis desta história - como a probabilidade de uma americana ir para Paris, passear numa manhã de domingo, ir a uma livraria que venda livros em inglês, procurar livros na secção infantil - e descobriu que as chances da mulher se reunir com o livro da infância eram de 1 em 3331.

"Era muito pouco provável que acontecesse, mas não é tão incrível como parece à primeira vista", explica o matemático e autor do livro Fluke: The Maths and Myths of Coincidences. "É ligeiramente mais fácil que te saiam quatro cartas iguais na primeira distribuição cartas no póquer".

Um amigo telefonar no exato momento em que íamos pegar no telefone para lhe ligar, encontrar alguém fisicamente parecido connosco, apanhar o mesmo táxi em duas cidades diferentes em poucos dias ou até ganhar a lotaria quatro vezes é mais provável do que parece.

Mazur afirmou ao El Mundo que até as coincidências mais espetaculares podem ser explicadas pela matemática. O ser humano não aceita este facto porque não entende as leis da probabilidade e porque os acasos e coincidências têm o seu encanto, segundo o professor.

"O mundo é tão grande, tão estranho e dá tanto medo que as histórias de casualidades nos fazem sentir mais seguros", explicou Mazur. "Quando nos encontramos com um conhecido noutra ponta do mundo, não fazemos uma análise fria das probabilidades disso ocorrer. Conforta-nos simplesmente sentir que há uma espécie de mão que guia os nossos passos".

Joseph Mazur baseia os seus cálculos na Lei dos Grandes Números, que diz que se uma experiência se realizar um número suficiente de vezes, vão acabar por sair resultados cada vez mais inesperados. Por outras palavras, se algo pode acontecer, acabará por acontecer.

Um exemplo desta lei é o Teorema do Macaco Infinito, que diz que se um macaco carregar aleatoriamente nas teclas de uma máquina de escrever durante muito tempo, acabará por escrever um texto de William Shakespeare.

Para escrever um texto completo pode demorar vários anos, mas a matemática diz que as probabilidades do mesmo macaco escrever a palavra inglesa "shall", com que começa um dos sonetos do poeta Shakespeare, são de uma em 11,88 milhões.

Os piratas informáticos usam esta lógica para desvendar palavras-passe, testando milhões de hipóteses com algoritmos e computadores.

O mito das coincidências sobrevive graças à "nossa memória seletiva", explica Mazur. "Todos os dias há milhares de milhões de coincidência que não acontecem e não nos lembramos delas. Mas as que acontecem - como a do livro de Anne Parrish - ficam-nos gravadas na memória, contamo-las em festas e acabamos por chamar coincidências e acontecimentos que são meras probabilidades matemáticas".

Se por um lado Mazur quer apagar a ideia das coincidências, ele assume que as probabilidades também podem mudar vidas. Como exemplo, conta a história de como conheceu a mulher.

"Foi numa marcha contra o Vietname com centenas de milhares de pessoas", conta. "Ela estava ao meu lado, nós começamos a falar e o resto é história. Sim, já sei que podia ter conhecido muitas outras mulheres mas gosto de pensar que ela é a minha alma gémea e que estava a minha espera", conclui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.