Morreu mais um militar do curso de Comandos

Dylan Araújo da Silva, um jovem de 20 anos de Ponte de Lima, estava internado desde o domingo passado

Morreu Dylan Araújo da Silva, um militar de 20 anos que integrava o curso de Comandos e que estava internado desde o início da semana, confirmou este sábado o ministro da Defesa. O jovem tinha entrado em falência hepática, depois de ter sido internado no domingo passado, o mesmo dia em que morreu Hugo Abreu, do mesmo curso.

Dylan Araújo da Silva foi transferido do Hospital do Barreiro para o Hospital Curry Cabral, na terça-feira, devido a um agravamento dos problemas no fígado e "indícios de rabdomiólise", ou seja, a destruição das fibras musculares que pode, em última instância, levar à morte. Encontrava-se em lista de espera para um transplante, com prognóstico reservado.

Numa cerimónia de inauguração do monumento em homenagem aos combatentes em Monforte, o ministro Azeredo Lopes deu conta da morte do militar dos comandos. "É com profundo pesar e consternação que o Exército informa que faleceu hoje, dia 10 de setembro de 2016, pelas 09:25 horas, o Soldado Dylan Araújo da Silva", lê-se também num comunicado do Exército.

O documento acrescenta ainda que "neste momento de luto, dor e sofrimento para a família e para o Exército", o General Chefe do Estado-Maior do Exército, General Frederico José Rovisco Duarte, "transmitiu à família todo o apoio e solidariedade". O apoio psicológico aos familiares continua a ser assegurado através do Centro de Psicologia Aplicada do Exército, refere ainda o comunicado.

Há ainda dois militares do mesmo curso hospitalizados, na Unidade de Tratamentos Intensivos, "que se mantém estáveis, sem agravamento clínico e analítico", informou ontem o exército. Outros dois tiveram alta ontem.

Com a morte de Dylan Araújo da Silva são já dois os militares do 127.º curso de Comandos a morrer na sequência do primeiro fim de semana de treinos. Os incidentes ocorreram na região de Alcochete, no distrito de Setúbal, embora em locais diferentes, segundo o Exército. O primeiro formando que morreu, Hugo Abreu, sentiu-se "indisposto durante uma prova de tiro" tendo sido de imediato assistido pelo médico que acompanhava a instrução, que lhe diagnosticou "um golpe de calor".

O 127.º curso foi temporariamente suspenso, para proceder a uma nova avaliação clínica dos formandos. Os próximos cursos também foram suspensos até ficar concluído uma "Inspeção Técnica Extraordinária às provas de classificação e seleção para os Cursos de Comandos", revelou na quinta-feira o Exército.

O caso já desencadeou investigações na Justiça - instauradas quer pelo chefe do Estado-Maior do Exército, quer pela Procuradoria-Geral da República.

Questionado sobre as investigações em curso, o ministro da Defesa disse hoje que não irá fazer antecipações sobre eventuais conclusões quando ainda há trabalhos a decorrer. "Não vou antecipar, opinar sobre o andamento da investigação quando se acaba de saber que se perdeu uma vida", afirmou Azeredo Lopes, considerando "macabro e de mau gosto" eventuais considerações neste momento.

E reforçou: "O inquérito é para se saber o que se passou, saber serenamente e sem quaisquer outras intenções, mas nesta altura é um momento de enorme tristeza, morreu alguém, perdeu-se uma vida nas Forças Armadas e é isso que nos cabe fazer, silenciar, recolhermos e pensar naquele que partiu".

Já sobre a notícia do Expresso de que "Governo admite extinguir comandos", o ministro da Defesa recusou comentar diretamente, afirmando apenas que se estivesse sempre a desmentir notícias não verdadeiras não faria outra coisa.

"O Exército entendeu através do seu Chefe do Estado-Maior que não se iniciariam novos cursos até se fazer uma avaliação transversal sobre o seu funcionamento e sobre a formação", disse, acrescentando que aquele "entendeu, em relação ao curso que estava a decorrer, que não será reiniciado antes de serem feitos exames médicos a todos os que nele participarem".

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.