Media Lab DN desafia alunos a serem repórteres da Europa

Sob o tema "Portugueses PELA UE: Oportunidades", o Media Lab DN e o Espaço Público Europeu - Espaço Europa juntaram-se com o objetivo de sensibilizar os jovens, do secundário e profissional, para a cidadania europeia.

A iniciativa pretende chegar aos jovens, fomentando o espírito crítico e ajudando a torná-los melhores decisores. Durante cinco sessões, entre abril e maio, os alunos são desafiados a serem repórteres da Europa, escrevendo as suas próprias notícias e trabalhando em diferentes plataformas: papel, vídeo e rádio.

Os repórteres desta sexta-feira foram os alunos da Escola de Comércio de Lisboa, que trouxe 51 jovens para realizarem o workshop "Faz o teu Jornal", conhecerem a história do Diário de Notícias e aprenderem um pouco mais sobre jornalismo. Este workshop foi complementado com uma breve conversa com oradores convidados.

A sessão desta sexta-feira, no âmbito do "Falando da Europa", contou com a presença de Ana Claúdia Valente, vogal do Conselho Diretivo da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional (ANQEP), que conversou com os estudantes sobre os "Jovens e oportunidades de formação na Europa". Carmo Torres, do Espaço Europa, também contribuiu para a sessão, abordando o Programa Erasmus, Erasmus + e o Corpo Europeu de Solidariedade.

O centro educativo Media Lab DN tem como objetivo promover a literacia mediática, pretendendo fomentar nos jovens o espírito crítico e torná-los cidadãos mais ativos. Saiba mais em: http://medialab.dn.pt

Ler mais

Exclusivos

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."