Tiangong-1 ardeu na atmosfera ainda sobre o Pacífico

"Palácio Celeste" reentrou na atmosfera a 26 mil km por hora

A Estação Espacial Tiangong-1 reentrou na madrugada desta segunda-feira na atmosfera terrestre sobre o Pacífico Sul, a uma velocidade superior a 26 mil quilómetros por hora antes de se desintegrar numa bola de fogo, anunciaram as autoridades aeroespaciais chinesas.

A reentrada ocorreu por volta da 01.15 em Lisboa, segundo informações da agência Xinhua e as autoridades militares norte-americanas. Segundo os chineses, "a maior parte" do laboratório espacial ardeu ao entrar na atmosfera, devido ao alto calor gerado pelo atrito com a atmosfera durante a queda, acrescentou o CMSEO, Gabinete chinês para a conceção de voos espaciais tripulados, citado pela a agência noticiosa oficial chinesa Xinhua.

Não se esperava que a queda deste laboratório espacial chinês, designado Tiangong-1 ("Palácio Celeste 1"), provocasse danos. Mas podia oferecer um espetáculo "esplêndido" similar a uma chuva de meteoritos, de acordo com as autoridades chinesas.

A Força Aérea norte-americana confirmou a reentrada sobre o Pacífico, não muito longe do local usado habitualmente para as reentradas controladas.

O Air Force Space Command publicou um vídeo com a animação do que seria a reentrada do laboratório espacial chinês.

A última previsão para a queda (divulgada pelas 19:30 de domingo) apontava para que a queda se desse no Oceano Atlântico às 01:48 (hora de Lisboa) de dia 2 de abril, com uma margem de erro de mais ou menos duas horas:

Num comunicado divulgado no sábado, a ESA explicou que a queda da Tiangong-1 desacelerou devido a uma meteorologia espacial mais tranquila.

Uma torrente de partículas solares deveria ter aumentado a densidade nas altas capas da atmosfera e acelerar a queda do laboratório espacial. Mas isso não ocorreu, reconhece a ESA, avançando que também persiste a incerteza sobre o lugar onde poderão cair os eventuais restos do módulo.

"As pessoas não precisam se preocupar", garantia o CMSEO na sua conta na rede social WeChat. Naves espaciais deste tipo "não caem na Terra violentamente como nos filmes de ficção científica", garante o CMSEO. A probabilidade de uma pessoa ser atingida por um objeto espacial de mais de 200 gramas é de uma em 700 milhões, garante a agência espacial chinesa.

De forma cilíndrica e com a dimensão aproximada de um autocarro, com 10,4 metros de comprimento por 3, 4 de diâmetro, 7,5 toneladas, já sem o combustível, e dois painéis solares com três por sete metros cada, a Tiangong-1 fez história em setembro de 2011, ao tornando-se a primeira estação espacial da China na órbita terrestre.

Desde então, a Tiangong-1 permaneceu vazia e em 21 março de 2016, as autoridades chinesas informaram as Nações Unidas de que tinham perdido o controlo sobre ela. Até aí, os propulsores da Tiangong-1 era regularmente despertados para elevar a sua altitude, de modo a mantê-la entre os 330 e os 400 quilómetros de altitude. Desde 2016 isso deixou de ser possível, pelo que a sua órbita veio decrescendo lentamente, como seria de esperar.

NOVAS IMAGENS DA ESTAÇÃO ESPACIAL

SIMULAÇÃO VÍDEO

O céu caiu-lhe, ao de leve, no ombro

Em 1979, a queda do Skylab, a antiga estação espacial dos Estados Unidos, foi um acontecimento. Alguns fragmentos caíram junto a uma cidade na Austrália, sem causar danos. Muitos outros objetos espaciais caem todos os anos, mas até hoje, só há um caso conhecido de uma pessoa atingida, de forma ligeira: Lottie Williams, nos Estados Unidos, a quem um pequeno fragmento de um tanque de combustível de um foguetão Delta II atingiu no ombro, em 1996.

"Um espetáculo magnífico"

Na sexta-feira, a China já tinha minimizado as preocupações sobre o impacto da entrada na atmosfera, e prometeu mesmo que será um espetáculo magnífico, semelhante a uma chuva de meteoros.

"As pessoas não têm motivos para se preocupar", assegurou a entidade chinesa responsável pela conceção dos voos espaciais tripulados (CMSEO, na sigla em inglês), numa mensagem publicada nas redes sociais.

Este género de estação espacial "não cai violentamente sobre a Terra como nos filmes de ficção científica, mas desintegra-se como uma magnífica chuva de meteoros num belo céu estrelado, à medida que os respetivos destroços avançam em direção à Terra", explicou a entidade chinesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.