Estado português revela "tremenda incompetência" em fogos florestais

"Depois do que aconteceu este ano", Portugal precisa de "organismos públicos profissionais destinados a atacar fogos florestais", afirmou o especialista Clemente Vicente Nunes

O Estado português revelou "tremenda incompetência" na prevenção e combate de incêndios, disse esta sexta-feira à Lusa o especialista na área de valorização energética de resíduos Clemente Vicente Nunes, advogando que o fogo florestal é "um ato de terrorismo".

Para o professor catedrático do Instituto Superior Técnico (IST) da Universidade de Lisboa, os trágicos incêndios de 17 de junho em Pedrógão Grande e do passado domingo nas regiões Norte e Centro do país resultaram de "um conjunto de fatores, incluindo uma tremenda incompetência" do Estado.

"É evidente que o combate aos fogos florestais tem que ser feito por pessoas competentes", afirmou o docente Clemente Vicente Nunes, indicando que, "depois do que aconteceu este ano", Portugal tem que ter "organismos públicos profissionais destinados a atacar fogos florestais" à semelhança do que acontece em Espanha.

Em entrevista à agência Lusa, num laboratório do departamento de engenharia química do IST, o especialista realçou o processo químico que se verifica quando há uma combustão para reforçar a importância de existir "um corpo nacional de bombeiros profissionais em âmbito florestal", defendendo que devia ser composto por militares das Forças Armadas.

Na perspetiva do docente do IST, o que aconteceu este ano em termos de incêndios florestais tratou-se de "um crime inqualificável", em que há a lamentar mais de uma centena de mortos, o que "nunca aconteceu em Portugal".

"Muito cético" em relação à atual reforma da floresta, Clemente Vicente Nunes considerou que o principal erro "é que fala em floresta", advogando que tal "é um disparate completo" já que a reforma "não pode estar limitada à floresta".

"A urgência não é tanto a floresta, é todas as atividades agroflorestais, que inclui com certeza a floresta, mas inclui a pastorícia, inclui todas as questões das árvores de fruto, inclui o olival e inclui a atividade agrícola", declarou o professor catedrático.

Neste sentido, a atual reforma deve consolidar "as atividades económicas que contribuam para a estabilização social e demográfica em 45 mil quilómetros do território do país", avançou o docente, referindo-se ao mundo rural do Interior Norte e Centro do país.

Relativamente às ações de arborização e rearborização, o especialista em valorização energética de resíduos indicou que "o eucalipto tem sido estigmatizado, mas o eucalipto é o que evita que o mato à volta se dê".

"Das estatísticas que vejo, as maiores explorações de eucalipto industriais em Portugal, nomeadamente as que são geridas pelas celuloses, praticamente a incidência de fogos tem sido mínima, inferior a 1%", apontou Clemente Vicente Nunes.

Para o professor do departamento de engenharia química do IST, "concentrar, como foi feito politicamente, o problema no eucalipto é um disparate completo", já que o Pinhal de Leiria não tem eucaliptos, tem pinheiros, e ardeu 80% da área florestal.

"Estou muito receoso. Se a reforma da floresta é a nova forma de terrorismo burocrático para que os empresários agroflorestais do minifúndio fiquem com a sua vida ainda mais prejudicada, então é um tiro no pé, mas um tiro de canhão", alertou o docente.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram 43 mortos e cerca de 70 feridos, mais de uma dezena dos quais graves.

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

O Governo decretou três dias de luto nacional, entre terça-feira e quinta-feira.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, em junho, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 mortos e mais de 250 feridos. Registou-se ainda a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).