Imunoterapia: Novas terapêuticas melhoram vida de doentes com cancro da cabeça e pescoço

Testes clínicos demonstraram que o Pembrolizumab e o Nivolumad ajudam a retardar a doença.

Um medicamento na área da imunoterapia que já é usado para melanoma avançado foi aprovado nos Estados Unidos para o cancro da cabeça e pescoço e aguarda agora a aprovação pela Agência Europeia do Medicamento (EMA) para essa indicação. É mais uma esperança para o tratamento destas patologias, com resultados já mostrados na melhoria da qualidade de vida dos doentes.

A imunoterapia é um tipo de tratamento que usa agentes biológicos para ativar o sistema imunitário dos doentes na luta contra o cancro, com um perfil de toxicidade baixo, quando comparada com a quimioterapia, que atua diretamente sobre o tumor. "É uma mudança de paradigma. É o corpo que combate contra o cancro", explicou ao DN José Dinis, responsável pela área de Oncologia Médica Cabeça e Pescoço no IPO do Porto.

A aprovação do Pembrolizumab pela Food and Drug Administration (autoridade dos medicamentos e alimentos norte-americana) ocorreu em agosto e baseou-se num estudo feito com 192 doentes com cancro da cabeça e pescoço em fase avançada, que já tinham sido sujeitos a quimioterapia.

"Dezasseis por cento dos doentes responderam [o tumor diminuiu de tamanho] e houve uma grande percentagem de doentes nos quais a doença não progrediu", adiantou o médico do IPO do Porto. Em 5% dos participantes no estudo, a doença "desapareceu completamente".

Segundo o especialista, este tratamento é benéfico para um terço dos doentes, que "têm mais qualidade de vida, quando comparado com a quimioterapia".

Segundo a farmacêutica MSD, o Pembrolizumab já está aprovado na Europa para "melanoma avançado em adultos e para cancro do pulmão de células não-pequenas (o tipo mais comum de cancro do pulmão) avançado em adultos" e aguarda-se a sua aprovação para carcinoma da cabeça e pescoço.

Tal como o DN noticiou, no domingo foi apresentado um estudo sobre um outro medicamento na terapêutica de imuno-oncologia (o Nivolumad), na European Society for Medical Oncology (ESMO), em Copenhaga, que demonstra que este fármaco também apresenta ganhos na sobrevivência e qualidade de vida dos doentes com cancro da cabeça e pescoço. Este também aguarda aprovação pela EMA.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.