História do primeiro samurai negro vai para o cinema

Terá acontecido no século XVI

Não existem muitos detalhes sobre Yasuke, o homem que é considerado o primeiro samurai negro da história. No entanto, a sua história poderá agora chegar ao cinema.

A produtora Lionsgate pediu ao guionista Gregory Wilden, criador de "Highlander", filme de 1986, para escrever um guião para a história de Yasuke.

De acordo com o Huffington Post, a história será baseada "na história verídica de um africano cuja viagem para o Japão vem também com histórias que se contradizem", diz Gregory Wilden.

"A história que eu escolhi foi a de que ele era um soldado escravo depois da queda de Abysinnian Bengal, um reino etíope", acrescentou.

Nessa história, Yasuke foi então vendido como escravo e acabou com o missionário italiano Alessandro Valignano, Wilden explica.

Yasuke deveria ter 20 e poucos anos quando Valignano o levou numa viagem até ao Japão em 1579, de acordo com alguns dados históricos, diz o Huffington Post.

Não se sabe o nome verdadeiro, sendo que Yasuke deve ser uma versão japonesa do seu verdadeiro nome. Quando o senhor da guerra Oda Nobunaga tomou conhecimento do imponente físico do africano, contratou-o para a sua guarda pessoal.

Rapidamente Yasuke subiu vários postos e tornou-se num samurai respeitado, que falava japonês de forma fluente.

Abaixo uma fotografia de uma estátua de Yasuke, criado pelo artista sul-africano Nicola Roos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...