Ataque de vespas asiáticas mata homem de 54 anos

Galiza regista primeira morte na sequência ataque de vespa asiática. No Alto Minho, os concelhos de Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira são os mais afetados

Um residente em Porriño, província de Pontevedra, foi a primeira pessoa a morrer na sequência de um ataque de vespa asiática na Galiza, onde só este ano foram destruídos 19.200 ninhos daquela espécie, disse hoje fonte do governo regional.

O caso ocorreu, na terça-feira, cerca das 16:00, quando um homem de 54 anos foi cortar uma macieira e, não se tendo percebido do ninho de vespa asiática, foi atacado.

Falando à agência Lusa, fonte do departamento do meio rural da Junta da Galiza disse que "o resultado da autópsia irá determinar se a morte resultou do ataque ou de uma reação alérgica".

Há dois anos, na localidade de Cariño, município de Ferrol, um outro homem foi também atacado pela mesma espécie mas conseguiu sobreviver

O jornal Faro de Vigo, citando um amigo da vítima, refere que o homem de 54 anos sofreu "um ataque massivo" de um enxame de vespas asiáticas, com "mais de 25 picadas nas pernas, braços e cara".

Segundo relata também o jornal a Voz da Galiza, ao tocar no ninho, as vespas que se encontravam no interior atacaram o homem que acabou por morrer no local. Uma ambulância médica compareceu no local, tendo-se gorado as tentativas de reanimar a vítima.

O amigo que o acompanhava também foi picado mas sem gravidade e relatou que "as vespas saíram revoltadas do ninho e que o amigo não teve como se defender do ataque".

A fonte do departamento de meio rural da Junta da Galiza ouvida hoje pela Lusa explicou que a região tem em curso, desde 2014, um plano de combate à vespa asiática mas adiantou não ser possível erradicar aquela praga".

"As pessoas têm de aprender a conviver com a espécie", disse referindo que, no âmbito daquele plano, a destruição dos ninhos de vespa velutina [ou vespa asiática] cabe ao departamento de meio rural, em parceria com os concelhos afetados e outros departamentos da Junta da Galiza.

E em Portugal?

Esta espécie predadora foi introduzida na Europa através do porto de Bordéus, em França, em 2004.

Os primeiros indícios da sua presença em Portugal surgiram em 2011, mas a situação só se agravou a partir no final do seguinte

No Alto Minho, os concelhos de Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira, município vizinho de Porriño, são os mais afetados. De acordo com os números avançados hoje à Lusa pelo comandante dos bombeiros municipais de Viana do Castelo, desde o início do ano já foram destruídos 240 ninhos desta espécie. Desde que a sua presença foi detetada no concelho já foram eliminados 1.907 ninhos.

Dados da Associação Apícola Entre Minho e Lima (APIMIL) referem que "cada ninho pode albergar até 2.000 vespas e 150 fundadoras de novas colónias, que no ano seguinte poderão vir a criar pelo menos seis novos ninhos".

Em outubro, o Ministério da Agricultura criou uma comissão de acompanhamento desta espécie avistada já em 12 distritos, apesar das tentativas de controlo dos últimos dois anos

"Pese embora as medidas implementadas em 2015 no âmbito do referido plano de ação, assistiu-se a uma progressão gradual da área afetada no território nacional, desde que os primeiros ninhos e avistamentos do inseto foram confirmados nos distritos de Braga e Viana do Castelo", afirma o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, num despacho publicado em Diário da República.

A vespa asiática é uma espécie asiática com uma área de distribuição natural que se estende pelas regiões tropicais e subtropicais do norte da Índia ao leste da China, Indochina e ao arquipélago da Indonésia, sendo a sua existência reportada desde 2011 na região norte de Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.