Cientistas identificam marcadores de cancro do pulmão agressivo

Marcadores podem ser detetados numa análise de sangue. Diagnóstico precoce é importante neste tipo de cancro agressivo

Cientistas identificaram marcadores biológicos de um tipo agressivo de cancro do pulmão, que podem vir a ser detetados numa análise ao sangue e ajudar a diagnosticar precocemente a doença, revela um estudo publicado esta quinta-feira na revista Cell Metabolism.

Investigadores do Instituto Walter e Eliza Hall e da Universidade de Melbourne, na Austrália, debruçaram-se sobre um tipo de cancro que aparece em qualquer glândula do corpo, o adenocarcinoma, mas que representa metade dos cancros do pulmão, sendo comummente diagnosticado em pessoas que não fumam.

Este cancro é muito agressivo e resistente a tratamentos convencionais, como quimioterapia e radioterapia, e tem um mau prognóstico, pelo que novas terapêuticas são necessárias.

A equipa de cientistas usou modelos pré-clínicos para mostrar pela primeira vez que os adenocarcinomas do pulmão têm 'marcadores' que respondem também a imunoterapias que estão a ser utilizadas no tratamento de outros cancros.

Segundo a investigação, as imunoterapias em causa (anti-PD-1 e anti-CTLA-4) foram eficazes a combater os tumores e a regredir este tipo de cancro do pulmão.

Uma das coautoras do estudo, Kate Sutherland, especialista em cancro no Instituto Walter e Eliza Hall, sustentou, citada num comunicado da instituição, que "as assinaturas moleculares únicas encontradas no sangue poderiam ser uma ferramenta para identificar doentes que poderiam responder a imunoterapias ou mesmo a um teste de deteção precoce destes cancros".

O estudo focou-se no papel de duas vias de sinalização celular - KEAP1/NRF2 e PI3K - que estão envolvidas no adenocarcinoma do pulmão humano e concluiu que a sinalização interminável causada por mutações nestas vias levou ao desenvolvimento deste cancro.

Num próximo passo, a equipa de cientistas vai testar as conclusões em humanos a partir da análise de amostras de tumores de doentes com adenocarcinoma do pulmão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.