Inédito: um computador bateu um campeão de jogo de estratégia

Pela primeira vez um sistema de inteligência artificial bateu um ser humano num jogo que tem mais variáveis do que o número de átomos que existem no Universo

O AlphaGo, um sistema de inteligência artificial criado pela divisão DeepMind, da Google, para jogar o ancestral jogo de tabuleiro chinês Go, venceu por 5-0 o tricampeão europeu desta "modalidade". Apesar da sua perícia, Fan Hui, campeão incontestado deste jogo de estratégia em toda a Europa, não conseguiu vencer um único duelo com o AlphaGo.

Segundo a Google, o número de jogadas possíveis no Go é mais vasto do que que o número de átomos que há em todo o universo, o que faz deste feito de inteligência artificial um marco histórico.

O AlphaGo foi criado para lidar com o número virtualmente infinito de jogadas possíveis do Go. Mas, ao invés de tentar determinar as combinações possíveis do jogo, como foi feito com o xadrez, a equipa da DeepMind carregou no sistema neural do AlphaGo 30 milhões de jogadas de jogadores profissionais. De seguida, deu ao sistema instruções para criar as suas próprias estratégias jogando consigo próprio e recorrendo a um processo de tentativa-erro conhecido por "aprendizagem por reforço".

Cumprir estas ordens exigiu um poder de processamento de tal forma elevado que foi preciso recorrer aos servidores da nuvem da Google.

Decorrido este período de "treino", a Google convidou Fan Hui, o há três anos incontestado campeão europeu de Go, para ir à sua sede jogar com AlphaGo. O computador não lhe deu hipóteses: venceu os cinco jogos disputados, demonstrando que o software "aprendeu" mesmo a jogar Go.

Resta saber se o seu domínio das artes deste jogo com mais de 2.500 anos é suficiente para vencer o campeão do mundo Lee Sedol, num encontro que está agendado para março.

Quanto à Google, fez questão de sublinhar que uma máquina vencer um ser humano num jogo de Go "é apenas um passo no caminho para a descoberta definitiva de inteligência artificial".

O Go foi criado na China há perto de três milénios e a sua complexidade e importância é tal que é considerado uma das quatro artes essenciais que qualquer verdadeiro erudito deve dominar. Até Confúcio, pensador e filósofo chinês, escreveu sobre este jogo. Hoje em dia, com o advento da internet, há mais de 40 milhões de pessoas a jogar Go em todo o mundo.

As regras do Go são, aparentemente, simples: jogado num tabuleiro de 19x19 linhas e com 180 pedras brancas e 181 pedras pretas, o Go é disputado por dois jogadores que vão colocando as suas pedras com o objetivo de ocupar as casas livres para ganhar território e cercar as pedras do adversário, capturando-as. Dizem os especialistas que, para jogar Go, é preciso conhecer as regras mas, sobretudo, jogar usando intuição e subtileza.

Por muito simples que pareça jogar Go, a sua complexidade é profunda: segundo o blogue oficial da Google, o Go tem 10^174 (1 seguido de 174 zeros) de combinações possíveis, ou seja, um googol (10^100) de vezes mais do que as combinações do xadrez.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG