Agente da PSP de Beja acusado de torturar trabalhador agrícola

Ministério Público deduziu acusação contra agente que, no exercício das suas funções, terá praticado os crimes contra um cidadão ucraniano, em 2019. A PSP revelou ter aberto um processo disciplinar.

Um agente da PSP de Beja foi acusado pelo Ministério Público (MP) da prática do crime de tortura e outros tratamentos cruéis, degradantes ou desumanos contra um trabalhador agrícola estrangeiro, em 2019, na cidade alentejana.

A acusação foi divulgada num comunicado publicado na página de Internet do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora e consultado esta terça-feira pela Lusa.

"Em inquérito cuja investigação correu termos no DIAP Regional de Évora, o Ministério Público deduziu acusação para julgamento por tribunal singular contra um agente da Polícia de Segurança Pública do Comando Distrital de Beja", pode ler-se no comunicado.

Segundo o mesmo documento, o MP imputou ao arguido "a prática de crime de tortura e outros tratamentos cruéis, degradantes ou desumanos".

O alegado crime, é indicado, "decorre de factos praticados pelo arguido, no âmbito do exercício das funções policiais que desempenhava, contra um cidadão ucraniano, trabalhador agrícola, na madrugada do dia 12 de novembro de 2019, na cidade de Beja".

De acordo com a nota, na sequência da investigação, que foi realizada integralmente no DIAP de Évora, "os autos foram parcialmente arquivados" em relação "a outros factos denunciados" que envolveram "diversos intervenientes".

O prazo para a eventual abertura de instrução ainda decorre, é ainda assinalado no comunicado, acrescentando-se que, a não ser requerida, será determinado o envio do processo para julgamento.

PSP abre processo disciplinar

A PSP revelou, entretanto, ter aberto um processo disciplinar, que está suspenso a aguardar decisão judicial, ao agente acusado pelo Ministério Público.

Em comunicado enviado à Lusa, o Comando Distrital de Beja da PSP disse que, na sequência de uma ocorrência policial ocorrida na madrugada de 12 de novembro de 2019, na cidade de Beja, "um polícia deste comando foi pronunciado por factos que foram participados" ao MP.

"Paralelamente, foi aberto um processo disciplinar, o qual se encontra suspenso a aguardar decisão judicial", acrescentou o comando.

Notícia atualizada às 13:42

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG