Palhaços lembram que "rir nunca foi tão importante"

Durante três dias as gargalhadas vão ser uma constante em Fafe que recebe até sexta-feira palhaços da Europa e América do Sul.

Muitos risos, gargalhadas e animação não vão faltar no Jardim do Calvário em Fafe, que se transformou num circo gigante ao ar livre para receber o II Encontro Mundial de Palhaços, um evento que arrancou esta quinta-feira e que prolonga até amanhã.

Iniciativa onde se promete fazer rir os miúdos e graúdos que participarem nas diversas iniciativas desenvolvidas ao longo dos três dias na "Capital do Riso".

A primeira iniciativa do evento, que conta com a presença de dez palhaços de Portugal, Espanha, Argentina, Brasil e Paraguai, foi dedicada aos mais pequenos e aos mais idosos, que se reuniram no Jardim do Calvário para assistir às pantominices da palhaça Chiquita e dos seus amigos.

"Estou aqui para me divertir e fazer as pessoas divertirem-se, para compartilhar alegria e mostrar um pouco do palhaço brasileiro aqui em Portugal", referiu a palhaça brasileira Chiquita, satisfeita pela recetividade que teve por parte das crianças presentes. Também Alexandre Malhone, o palhaço "Cotonete", se mostrou satisfeito pela receção que teve em Fafe, local onde está pela segunda vez, salientando também o facto de serem bem acolhidos pelas crianças, mas também pelos adultos, "que regressam à sua infância e recordam os tempos de miúdos".

Considerando importante este tipo de eventos para as comunidades em que acontecem, "Cotonete" afirmou que o são também para os artistas, pois permitem-lhes "conhecer artistas de outros países, compartilhar experiências e culturas e contribuindo para o seu crescimento enquanto artistas".

Ao longo dos três dias, estes dez artistas, acompanhados mais duas dezenas de elementos das companhias que integram, vão protagonizar diversos espetáculos, assim como oficinas, workshops e desfiles.

O II Encontro de Palhaços do Mundo é organizado pela plataforma "Fafe Cidade das Artes" e conta com a colaboração da Câmara Municipal. Segundo o presidente, Raul Cunha, este tipo de iniciativas devem ser acolhidos pelos municípios, por permitirem "não só partilha com miúdos e graúdos o riso, como também nos ajuda a compreender melhor o homem e a mulher que estão por detrás daqueles fatos e da maquilhagem e cuja missão é fazer-nos rir. Nunca como antes rir foi tão importante. Desejamos que sejam três dias de total animação em Fafe e também de intercâmbio cultural internacional".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG