Valor médio das reformas antecipadas é de 806,56 euros

A idade média dos pensionistas que se reformaram ao abrigo do novo regime é de 61 anos e seis meses

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social anunciou hoje que o valor médio das reformas antecipadas em pagamento ao abrigo do novo regime das longas carreiras contributivas, que permite a pensão sem cortes, alcançou os 806,56 euros.

O novo regime entrou em vigor em outubro e de acordo com os dados mais atualizados hoje divulgados (referentes ao final da semana passada), a Segurança Social aprovou até agora 9.746 pensões de requerentes que reuniam as condições para acesso.

Segundo o ministro Vieira da Silva, que falava hoje no Parlamento, do total de pensões deferidas, 46% (4.479) estão já em pagamento, com o valor médio a ascender aos 806,56 euros, mais 124,08 euros face ao cálculo pelo regime de flexibilização, ou seja, um acréscimo de 18,2%.

A idade média dos pensionistas que se reformaram ao abrigo do novo regime é de 61 anos e seis meses, enquanto a idade legal da reforma é, atualmente, de 66 anos e quatro meses.

O novo regime permite que as pessoas com muito longas carreiras contributivas e que tenham 60 anos ou mais de idade, possam reformar-se sem corte na pensão. Em causa estão as carreiras contributivas iguais ou superiores a 48 anos, ou trabalhadores que iniciaram a sua atividade profissional com 14 anos ou idade inferior, e que tenham aos 60 anos, pelo menos 46 anos de carreira contributiva.

Para estes dois grupos, deixa de ser aplicado o fator de sustentabilidade (14,5%) e as penalizações de 0,5% por mês por antecipação face à idade normal de acesso à pensão de velhice, que é de 66 anos e 4 meses.

Do total das pensões aprovadas, 99% beneficiam do novo regime com pensões mais elevadas e apenas 1% tem cálculo superior ao valor da sua pensão com a aplicação do regime da flexibilização (ou seja, com Fator de Sustentabilidade).

O ministro Vieira da Silva falava hoje na Comissão de Trabalho e Segurança Social, no âmbito de uma audição regimental.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.