Vacinação contra a gripe baixou em todos os grupos

Dados apontam que a vacinação contra a gripe foi mais baixa nesta época gripal, especialmente no grupo dos doentes crónicos.

A vacinação contra a gripe foi mais baixa nesta época gripal em todos os grupos populacionais, especialmente o dos doentes crónicos, de acordo com os dados da vaga final do Vacinómetro, que monitoriza a evolução desta cobertura.

Entre os portugueses com idades entre os 60 e os 64 anos a vacinação atingiu as 231.009 pessoas (35,7%), tendo-se registado igualmente uma descida em relação à época 2016/2017: menos 36 mil vacinados

Desde outubro do ano passado, a vacina contra a gripe foi administrada a 1.256.151 pessoas com 65 ou mais anos, o que representa 61,8% deste grupo.

Em relação à época gripal anterior, vacinaram-se menos 120 mil pessoas deste grupo populacional.

Entre os portugueses com idades entre os 60 e os 64 anos a vacinação atingiu as 231.009 pessoas (35,7%), tendo-se registado igualmente uma descida em relação à época 2016/2017: menos 36 mil vacinados.

A vacina contra a gripe foi administrada a 52,1% dos portadores de doença crónica e 55,2% dos profissionais de saúde com contacto direto com doentes.

Entre os vacinados, 50,1% fizeram-no por recomendação do médico, 31% por iniciativa própria e para estar protegido, 16% no contexto de uma iniciativa laboral, 2% porque sabem que fazem parte de um grupo de risco para a gripe e 0,7% por recomendação do farmacêutico.

A vacinação contra a gripe é recomendada para as pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, doentes crónicos e imunodeprimidos com seis ou mais meses de idade, grávidas, profissionais de saúde e outros prestadores de cuidados, como trabalhadores em lares de idosos.

Também as pessoas com idade entre os 60 e os 64 anos devem tomar esta vacina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.