Vacinação contra a gripe baixou em todos os grupos

Dados apontam que a vacinação contra a gripe foi mais baixa nesta época gripal, especialmente no grupo dos doentes crónicos.

A vacinação contra a gripe foi mais baixa nesta época gripal em todos os grupos populacionais, especialmente o dos doentes crónicos, de acordo com os dados da vaga final do Vacinómetro, que monitoriza a evolução desta cobertura.

Entre os portugueses com idades entre os 60 e os 64 anos a vacinação atingiu as 231.009 pessoas (35,7%), tendo-se registado igualmente uma descida em relação à época 2016/2017: menos 36 mil vacinados

Desde outubro do ano passado, a vacina contra a gripe foi administrada a 1.256.151 pessoas com 65 ou mais anos, o que representa 61,8% deste grupo.

Em relação à época gripal anterior, vacinaram-se menos 120 mil pessoas deste grupo populacional.

Entre os portugueses com idades entre os 60 e os 64 anos a vacinação atingiu as 231.009 pessoas (35,7%), tendo-se registado igualmente uma descida em relação à época 2016/2017: menos 36 mil vacinados.

A vacina contra a gripe foi administrada a 52,1% dos portadores de doença crónica e 55,2% dos profissionais de saúde com contacto direto com doentes.

Entre os vacinados, 50,1% fizeram-no por recomendação do médico, 31% por iniciativa própria e para estar protegido, 16% no contexto de uma iniciativa laboral, 2% porque sabem que fazem parte de um grupo de risco para a gripe e 0,7% por recomendação do farmacêutico.

A vacinação contra a gripe é recomendada para as pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, doentes crónicos e imunodeprimidos com seis ou mais meses de idade, grávidas, profissionais de saúde e outros prestadores de cuidados, como trabalhadores em lares de idosos.

Também as pessoas com idade entre os 60 e os 64 anos devem tomar esta vacina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".