Vacinação contra a gripe baixou em todos os grupos

Dados apontam que a vacinação contra a gripe foi mais baixa nesta época gripal, especialmente no grupo dos doentes crónicos.

A vacinação contra a gripe foi mais baixa nesta época gripal em todos os grupos populacionais, especialmente o dos doentes crónicos, de acordo com os dados da vaga final do Vacinómetro, que monitoriza a evolução desta cobertura.

Entre os portugueses com idades entre os 60 e os 64 anos a vacinação atingiu as 231.009 pessoas (35,7%), tendo-se registado igualmente uma descida em relação à época 2016/2017: menos 36 mil vacinados

Desde outubro do ano passado, a vacina contra a gripe foi administrada a 1.256.151 pessoas com 65 ou mais anos, o que representa 61,8% deste grupo.

Em relação à época gripal anterior, vacinaram-se menos 120 mil pessoas deste grupo populacional.

Entre os portugueses com idades entre os 60 e os 64 anos a vacinação atingiu as 231.009 pessoas (35,7%), tendo-se registado igualmente uma descida em relação à época 2016/2017: menos 36 mil vacinados.

A vacina contra a gripe foi administrada a 52,1% dos portadores de doença crónica e 55,2% dos profissionais de saúde com contacto direto com doentes.

Entre os vacinados, 50,1% fizeram-no por recomendação do médico, 31% por iniciativa própria e para estar protegido, 16% no contexto de uma iniciativa laboral, 2% porque sabem que fazem parte de um grupo de risco para a gripe e 0,7% por recomendação do farmacêutico.

A vacinação contra a gripe é recomendada para as pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, doentes crónicos e imunodeprimidos com seis ou mais meses de idade, grávidas, profissionais de saúde e outros prestadores de cuidados, como trabalhadores em lares de idosos.

Também as pessoas com idade entre os 60 e os 64 anos devem tomar esta vacina.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.