Rui Rio antecipa-se a Costa e viaja hoje para Luanda

O líder do PSD tem na agenda um encontro com o presidente angolano, João Lourenço e antecipa-se à visita de António Costa

O presidente do PSD, Rui Rio, está hoje a caminho de Luanda, poucos dias depois de a Procuradoria-Geral da República (PGR) ter transferido para aquele país o processo judicial que envolve o ex-presidente angolano Manuel Vicente. Rio viaja com Tiago Moreira de Sá, professor universitário da Nova e presidente da Comissão de Relações Internacionais do PSD.

Ao que o DN conseguiu apurar, será uma visita curta, com o regresso previsto já para sexta-feira. O principal objetivo é mesmo o encontro com o presidente de Angola João Lourenço. Rui Rio antecipa-se assim à visita oficial do primeiro-ministro António Costa, cuja realização tem sido apontada para o mês de julho.

Em maio, quando o tribunal de Relação anunciou a transferência do processo de Manuel Vicente para Angola, onde serão investigadas as suspeitas corrupção ativa de um magistrado do Ministério Público português (Orlando Figueira), branqueamento de capitais e falsificação de documento, Rio considerou "muito positivo" e "uma boa notícia" para as relações entre Portugal e Angola.

"É, obviamente, uma boa notícia para as relações entre Portugal e Angola", mas "temos que ter consciência, ao longo de todo este processo, que há uma real separação de poderes em Portugal e, portanto, o poder político não podia fazer nada, nem devia fazer nada, relativamente a isto", afirmou o líder social-democrata.

Em declarações aos jornalistas, Rui Rio afirmou que, "a partir do momento" em que o caso "ficou sempre na esfera do poder judicial, e o poder judicial resolveu da forma como resolveu, do lado do poder político é muito positivo" este envio do processo para Angola porque as relações de Portugal com este país "são vitais para o desenvolvimento de ambos". O líder social-democrata disse ainda esperar que as relações entre Portugal e aquele país "se normalizem".

"Nem vejo agora razão nenhuma para não se normalizarem e é muito importante para Portugal ter, para lá da sua relação com a Europa, uma boa relação com o Atlântico" e com "os países de expressão portuguesa", no âmbito dos quais "Angola tem um papel absolutamente preponderante".

Segundo Rui Rio, "era muito mau, quer para Angola, quer para Portugal, arrastar-se a situação que se vinha vindo a arrastar", mas "é preciso compreender" que se trata de "uma matéria do foro judicial", na qual "o poder político não tem responsabilidade".

Era muito mau, quer para Angola, quer para Portugal, arrastar-se a situação que se vinha vindo a arrastar

No passado dia 22 de junho, a PGR informou que, enquanto autoridade central para a cooperação judiciária, enviou já à congénere de Angola a certidão digital respeitante ao processo que envolve Manuel Vicente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.