Nuno Melo critica "rapaziada do PAN" em Encontro de Caçadores por "atacar" mundo rural 

Para o eurodeputado centrista, o que está em causa neste debate é um "modo de vida" ancestral

O eurodeputado centrista e caçador Nuno Melo criticou hoje a "rapaziada do PAN" que prefere ver cães apurados durante séculos para a caça "criados dentro de um apartamento, onde sofrem, do que livres num monte a exercer a sua vocação".

Nuno Melo foi um dos oradores no 25.º Encontro Nacional de Caçadores, que hoje decorreu no Centro Nacional de Exposições, em Santarém, na presença do ministro da Agricultura, dominado pelas críticas às propostas do PAN (Pessoas - Animais - Natureza) e do Bloco de Esquerda (BE) para alterar o regime jurídico da caça, com discussão agendada para terça-feira no parlamento, consideradas um "ataque" ao mundo rural.

"O BE e o PAN têm um projeto para acabar com a possibilidade de usar cães na caça e para reduzir o número de dias de caça, porque parece que isso é antigo. Se há coisa que me faz feliz é pegar no meu cão e percorrer terras, do Alentejo a Trás-os-Montes, atrás de uma perdiz, que é livre", afirmou

"Para essa esquerda, pelos vistos, manadas ou varas criadas sem ver a luz, que caminham disciplinadamente para um matadouro, é uma afirmação de civilização. Animais que são caçados, estão livres, têm uma hipótese de fuga -- depende do engenho do caçador e da capacidade dos cães -- são um problema. E eles é que se dizem amigos dos animais", afirmou.

Para Nuno Melo, o que está em causa neste debate é um "modo de vida" ancestral que tem que ser defendido, pela importância que tem para a preservação das próprias espécies, pelo ordenamento do território, pelas dimensões sociais e económica, advertindo que se a caça for proibida "alguma coisa de muito má irá acontecer".

Sublinhando que o deputado do PAN cumpre o papel para o qual foi eleito, Nuno Melo reivindicou que, tal como André Silva deve ter direito "a só comer alface de manhã à noite", também ele deve ter direito a comer "perdiz de escabeche quando possa", de preferência caçada por si.

"Já que tanto se fala de liberdade, liberdade também é isto", declarou.

A tónica do seu discurso dominou igualmente as intervenções dos dirigentes da Federação Portuguesa de Caça (Fencaça) e dos deputados Nuno Serra (PSD, vice-presidente da Comissão Parlamentar de Agricultura) e Patrícia Fonseca (CDS), com Joaquim Barreto (PS), presidente da Comissão Parlamentar de Agricultura, a afirmar que, embora respeite a posição de todos os deputados que integram a comissão, reconhece no setor da caça, que considerou parte da identidade do povo, um contributo para a biodiversidade e o desenvolvimento económico do país.

Nuno Serra questionou "como alguém que vive num andar (...) e tem 75.000 votos - menos do que o número de licenças de caça - ousa atacar um fator elementar do mundo rural".

Patrícia Fonseca apelidou o PAN (Pessoas-Animais-Natureza) de "mais partido dos Animais e da Natureza - e mesmo assim não percebe muito de natureza -", pelos "ataques reiterados a tudo o que são atividades do mundo rural", prometendo, no debate de terça-feira, defender o setor e criticar projetos que classificou de, "além de juridicamente mal feitos", serem "até politicamente desonestos".

Também o ex-ministro da Agricultura e do Ambiente e atual vice-presidente da Fencaça, Arlindo Cunha, criticou os "discursos anti-caça", que classificou de "superficiais", ao reduzirem a caça apenas ao ato de matar um animal, esquecendo "tudo o que envolve em termos de proteção da natureza, biodiversidade e, sobretudo o cuidar do mundo rural", numa sociedade cada vez mais urbanizada.

O presidente da Fencaça, Jacinto Amaro, pediu aos deputados para que na terça-feira rejeitem todas as propostas do PAN e do BE para que estas não baixem à especialidade, evitando que os defensores destas medidas "ganhem alguma coisa".

"Tudo o que ganharem será seguramente contra nós", afirmou.

Jacinto Amaro lamentou que sejam dados ouvidos a caçadores que se representam apenas a si próprios e que parecem desconhecer a realidade, dando como exemplo as referências ao regime ordenado, "que praticamente já não existe".

Apontou ainda a proibição do uso de veneno para matar predadores, referida pelo PAN, que, assegurou, "está mais que proibido".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.