PSD escolhe Cancela Moura como candidato à Câmara de Gaia

José Cancela Moura já fez parte da Câmara de Gaia, enquanto vereador, entre os anos de 2002 e 2005, sob a liderança de Luís Filipe Menezes

A concelhia do PSD de Vila Nova de Gaia decidiu hoje, por unanimidade e aclamação, o nome do presidente Cancela Moura para cabeça-de-lista à câmara local nas próximas eleições autárquicas, indica comunicado daquela estrutura.

"A Comissão Política do PSD de Gaia, reunida para discutir e votar o candidato à presidência da Câmara Municipal nas próximas eleições autárquicas deliberou: aprovar por unanimidade e aclamação o presidente do PSD Gaia, José Cancela Moura", refere a concelhia em nota enviada no final da reunião desta noite.

No documento, o PSD de Gaia destaca que "participaram nesta decisão a totalidade dos membros da Comissão Política, incluindo aqueles que têm assento por inerência, nomeadamente a JSD e o TSD, bem como o primeiro eleito da Câmara Municipal e o líder do Grupo da Assembleia Municipal".

O nome de Cancela Moura, que reuniu a totalidade dos 16 votos possíveis, será agora submetido para aprovação da Comissão Política Distrital e ratificação da Comissão Política Nacional.

Licenciado em Direito pela Universidade Lusíada, no Porto, José Cancela Moura fez parte já da Câmara de Gaia, enquanto vereador com os pelouros Desporto, Educação, Acção Social, Turismo, Parques Industriais e Atividades Económicas, Recursos Humanos, Administração Geral, Património, Expropriações e Promoção do Desenvolvimento entre os anos de 2002 e 2005, sob a liderança de Luís Filipe Menezes.

Foi também administrador executivo no Conselho de Administração do Parque Biológico de Gaia, Presidente do Conselho Fiscal da União dos Clubes de Gaia e vice-presidente do Conselho Técnico da Associação de Futebol do Porto.

Entre setembro de 2014 e novembro de 2015, José Cancela Moura foi adjunto do Secretário de Estado do Emprego.

Em dezembro de 2015 a concelhia do PSD de Gaia foi a eleições que escolheram José Cancela Moura para a liderança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.