PS estuda proposta para congelar despejos

Deputado propôs à direção da bancada um projeto que estabelece uma moratória aos despejos até novas leis do arrendamento

A direção parlamentar do PS tem em mãos um projeto de lei que visa estabelecer uma moratória aos despejos até que as novas leis para o arrendamento urbano, anunciadas segunda-feira pelo governo, sejam aprovadas. A iniciativa partiu do deputado socialista Miguel Coelho, também presidente da junta de freguesia de Santa Maria Maior, em Lisboa - que concentra boa parte dos bairros históricos da capital, particularmente afetados pelo despejo de inquilinos.

O deputado diz ter tido um "feedback positivo" da direção parlamentar socialista e espera agora por uma resposta, com a mira na discussão parlamentar já marcada para 4 de maio. Para esta data está agendado um debate do PCP sobre arrendamento urbano, o que permite aos restantes partidos avançar também com iniciativas. É o que fará o Bloco de Esquerda, que ontem apresentou quatro propostas sobre a mesma matéria (ver texto ao lado). Se quiser fazer o mesmo, o PS terá que avançar até à meia-noite de hoje, altura em que fecha o prazo para apresentação de propostas para o debate da próxima semana.

Miguel Coelho justifica a iniciativa com o tempo que ainda vai demorar todo o processo legislativo para aprovação das medidas anunciadas pelo governo, e que ontem foram aprovadas em Conselho de Ministros (seguindo agora para o parlamento). "O que é que acontece às pessoas que estão agora com a "corda ao pescoço", numa situação de despejo?", questiona o parlamentar socialista. "Isso é algo que me deixa muito preocupado", diz ao DN, defendendo que a solução passa por uma medida "transitória, uma moratória sobre os despejos até que tudo esteja clarificado". No restante, Miguel Coelho diz-se "satisfeito" com as medidas anunciadas pelo governo, mas ainda na expectativa para ver a "letra da lei", anunciada ainda em termos muito genéricos. O DN tentou ontem contactar o presidente do grupo parlamentar do PS, Carlos César, sem sucesso.

Mais de 65 anos e 25 de casa

Ontem, o governo aprovou, em Conselho de Ministros, as sete propostas legislativas que vão dar corpo à Nova Geração de Políticas de Habitação apresentada segunda-feira pelo primeiro-ministro, António Costa. João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente, especificou uma das principais medidas em cima da mesa: a proteção especial que passará a ser conferida a inquilinos com mais de 65 anos ou com um grau de deficiência igual ou superior a 60%. De acordo com o ministro da tutela, a situação de arrendamento "vitalício" exigirá - além do critério da idade ou deficiência - que o beneficiário resida no imóvel há pelo menos 25 anos. Nestes casos os contratos de arrendamento só poderão ser denunciados se o proprietário reclamar a casa para habitação própria ou dos seus filhos. Já quanto ao aumento das rendas, nos contratos posteriores a 1990 poderão ser aumentadas de acordo com o quadro legal. Nos contratos anteriores àquela data (ou no casos de inquilinos com mais de 65 anos que tenham aderido ao novo regime) o aumento não poderá ser superior a 1/15 do valor patrimonial do imóvel. Caso o inquilino não consiga suportar o aumento da renda, terá direito a subsídio.

Matos Fernandes rejeitou que a medida possa ser inconstitucional. "Estamos a usar um princípio de proporcionalidade entre os direitos dos senhorios e os direitos dos inquilinos", defendeu o ministro do Ambiente, acrescentando que a preocupação do governo passa por "proteger quem foi agredido, ainda que involuntariamente, pela chamada lei Cristas".

Entre as medidas aprovadas conta-se também a reversão da norma que permite aos senhorios denunciar os contratos em caso de obras profundas. Com a nova lei ficam suspensos (por um período máximo de três anos e obrigando os senhorios a garantir alternativas de alojamento), e as obras terão de chegar aos 25% do valor de mercado do imóvel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.