Portugueses sentem-se mais seguros do que há cinco anos

Conclusão é de um inquérito da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima.

Os portugueses sentem-se mais seguros do que há cinco anos, uma situação para a qual terá contribuído o clima de "mais otimismo" que hoje se vive em Portugal, revela um inquérito da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV).

A APAV, em parceria com a Intercampus, voltou a aplicar em 2017 o inquérito que já tinha realizado em 2012 sobre "Criminalidade e Insegurança", em que questionou os portugueses sobre o "sentimento de segurança" face à zona residencial e aos bens pessoais, sobre o "sentimento de segurança em termos pessoais" e a "experiência pessoal nos últimos 12 meses".

Os dados hoje divulgados, que resultam de 600 entrevistas feitas entre 24 de outubro e 11 de novembro a pessoas com 15 ou mais anos, residentes em Portugal continental, indicam "uma tendência para a expressão de um menor sentimento de insegurança por parte da amostra, quando comparados com os resultados obtidos em 2012".

"É muito positivo ver esta diminuição do sentimento de insegurança relativamente à criminalidade" por parte da amostra, disse à agência Lusa a secretária-geral da APAV, Carmen Rasquete.

Como uma das explicações para o aumento do sentimento de segurança dos portugueses, Carmen Rasquete apontou o facto de haver "mais paz social neste momento".

"Existem alguns fatores que podemos discutir, debater e até pensar, um deles que eu penso ser dos mais claros tem a ver com algum clima de mais otimismo, de maior segurança, de crescimento económico", frisou.

A responsável lembrou que em 2012 estava-se "no centro da crise económica" e "existia muito o sentimento de negativismo, de pessimismo quanto ao futuro, não só em questões de criminalidade como em questões pessoais", relacionadas com a "insegurança sobre o futuro e a própria vida".

O inquérito revela que apenas 10% dos inquiridos considera a zona onde reside como perigosa ou insegura, contra 19% em 2012. Destes, 55% dizem que essa perceção de insegurança é maior durante a noite.

O "Barómetro APAV Intercampus 2017" destaca ainda o facto de mais de 75% da amostra não recear ser assaltada ou agredida (58% em 2012).

"O receio de ser assaltado ou agredido é mais acentuado" nas pessoas com 65 ou mais anos e nas regiões do Alentejo e Algarve.

Para os 22% que dizem ter este receio, esse medo "é maior" em outras zonas que não a da sua residência ou do trabalho e "durante a noite".

Os dados mostram também que baixou de 52% para 34% o número de inquiridos que temem que a sua casa seja assaltada. Dez por cento receiam ser alvo de insultos, ameaças ou agressões no interior da sua casa.

Entre os inquiridos com carro, 44% dizem temer que este possa ser alvo de furto ou dano (64% em 2012).

O estudo observa também uma descida no número de inquiridos que dizem terem sido vítimas de assalto, agressão ou outro crime nos últimos 12 meses (3% em 2017 contra 5% em 2012).

Esta percentagem sobe para 18% quando se questiona se conhece alguém vitima de assalto, agressão ou outro crime nos últimos 12 meses.

Para Carmen Rasqueste, o trabalho desenvolvido pela APAV ao longo dos últimos anos e a descida da criminalidade reportada no Relatório Anual da Segurança Interna (RASI) de 2017 terão também contribuído para os resultados obtidos no estudo.

"Um clima de maior paz traz um sentimento de segurança às pessoas", frisou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.